Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Corpo de criança morta em desabamento em São Bernardo será liberado hoje

Outras seis pessoas ficaram feridas no desabamento das lajes do prédio na grande São Paulo

Solange Spigliatti, estadão.com.br

07 Fevereiro 2012 | 08h32

SÃO PAULO - O corpo de Julia Moraes, de 3 anos, vítima do desabamento de parte de um prédio no centro de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, na noite da última segunda-feira será liberado do Instituto Médico legal (IML), ainda na manhã desta terça, 7. Ainda não há informação sobre horário do enterro da menina.

Outras seis pessoas ficaram feridas no desabamento das lajes. Segundo os bombeiros, as equipes continuam as buscas a uma enfermeira, de 26 anos, que ainda está desaparecida e pode estar entre os escombros.

Os feridos foram socorridos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levados para hospitais da região. O pai e a mãe de Julia foram encaminhados para o Hospital São Bernardo. Segundo o hospital, a mãe já foi liberada. Ainda não há informação sobre o estado de saúde do pai. A criança chegou a ser socorrida com vida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no Pronto Socorro Central da cidade.

O impacto do desabamento arremessou as janelas e vários objetos dos primeiros andares. Inicialmente, a hipótese era de que teria havido uma explosão, mas essa hipótese seria a menos provável.

Com cerca de 40 anos, o Edifício Senador tem consultórios médicos, escritórios e uma lanchonete no térreo, com um total de 74 salas. O prédio fica próximo ao Paço Municipal e à sede de Secretaria de Segurança Urbana da prefeitura. Além das 19 viaturas do Corpo de Bombeiros, com 70 homens, estão na região funcionários da Defesa Civil, Eletropaulo e Polícia Militar.

As equipes se revezam em turnos de uma hora. Cães farejadores e duas pás carregadeiras estão sendo utilizados. Mais de 50 metros cúbicos de entulho já foram retirados do interior do edifício. Toda a área no entorno do prédio ficará bloqueada pelo menos até quarta-feira. O motorista que puder deve evitar a região, pois o trânsito promete ficar caótico.

Documentação. Segundo o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, o prédio estaria com toda a documentação em ordem e possui alvará de funcionamento. Marinho disse que os documentos do Edifício Senador não chegaram às mãos dele ainda pois o paço municipal está às escuras em razão do rompimento de um cabo de energia que alimenta a região. O edifício fica ao lado do prédio da Prefeitura. "Não sabemos ainda o que pode ter causado essa tragédia. Se tivesse ocorrido duas horas antes o fluxo de pessoas seria bem maior. Apenas a parte do meio das lajes desabou. Pessoas por exemplo que estavam no banheiro tiveram que ser retiradas pelos bombeiros pela parede de trás", disse o prefeito.

Mais conteúdo sobre:
desabamentoSãoBernardolajesIML

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.