Corpo de delegado queimado em rebelião é enterrado

O corpo do delegado Adelson Taroco, de 39 anos, queimado por presos durante a rebelião na Cadeia de Jaboticabal, em 14 de maio, foi sepultado no final da manhã deste sábado, 3, no Cemitério de Ariranha, na região de São José do Rio Preto, sua cidade natal. Taroco foi delegado em Jaboticabal por cerca de 15 anos e morreu na sexta-feira, 2, na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, em Ribeirão Preto. Ele estava internado desde o dia do incidente, quando foi queimado num colchão em chamas, no qual foi enrolado por presos durante a rebelião. Ele era diretor da cadeia. Cerca de 40 presos foram indiciados pela morte do delegado, que também era titular do 1º DP da cidade.Vários carros da polícia fizeram o cortejo de Jaboticabal até Ariranha. A mãe do delegado, Aparecida Taroco, era a mais emocionada, dizendo que seu filho amava a função de delegado e o considerava um herói. Taroco deixou a mulher Magnólia e dois filhos, Diego e Patrick. Na rebelião do dia 14 de maio, durante o tumulto, um preso também foi baleado e morreu alguns dias depois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.