Corpo de economista é encontrado no Malawi

Gabriel Buchmann estava desaparecido desde 17 de julho, quando escalava o Monte Mulanje

Clarissa Thomé e Luciana Nunes Leal, O Estadao de S.Paulo

06 Agosto 2009 | 00h00

O corpo do economista brasileiro Gabriel Buchmann, de 28 anos, foi encontrado na manhã de ontem (horário local) no Monte Mulanje, no Malawi, por equipes de buscas por terra. Buchmann foi visto pela última vez em 17 de julho, quando fazia uma escalada e estava a cerca de 600 metros do cume. O corpo do rapaz foi reconhecido pela namorada, Cristina Reis, que viajou ao país africano para acompanhar as buscas. A mãe do economista, a professora Maria de Fátima Buchmann, ficou muito abalada. No sábado, quando uma equipe de sete bombeiros brasileiros se preparava para embarcar para o Malawi, ela ainda se mostrava esperançosa de que o filho seria localizado. "A expectativa era muito grande porque o Gabriel tinha experiência em montanhas, tinha muita resistência, mas também sabíamos que havia contra nós o tempo sem comer, as condições climáticas", disse Jacques Chaves de Melo, tio do economista. Ele afirmou que a família foi avisada ainda pela manhã pelo irmão, Joaquim Chaves de Melo, que também acompanha as buscas. "Meu irmão ligou cedo e avisou que ele estava morto. Não sabemos de nada: se estava ferido, se havia se machucado. Somente amanhã (hoje) vamos ter mais informações", disse. Nem a família ou o Itamaraty souberam informar em que ponto da montanha o corpo foi localizado ou em que condições. A Assessoria de Imprensa do Itamaraty informou que o corpo foi levado de helicóptero até a sede do parque e hoje um legista local fará a necropsia. Segundo a família, as viagens de helicóptero, as passagens de voluntários canadenses e a diária dos cerca de 50 africanos que atuaram nas buscas foram pagas com doações feitas por amigos e internautas, que acompanharam as buscas pelo blog ajudegabrielbuchmann.blogspot.com. No site, a família postou a seguinte mensagem na tarde de ontem, sob o título "Deus estendeu sua mão, e agora Gabriel caminha com ele": "É a hora do adeus. É com muita dor que lhes damos a notícia de que Gabriel, nosso amigo, filho, neto, parente, irmão de sangue e de vida nos deixou. Após 28 anos dando alegrias e exemplos de vida a nós e a tantas outras pessoas, Gabriel partiu para o mundo espiritual". Economista estudioso da pobreza, Buchmann havia começado a viagem pelo mundo há cerca de um ano. Ele queria ter contato com a realidade que estudaria no doutorado na Universidade da Califórnia, previsto para iniciar no mês que vem. No dia 17, ele subia o Monte Mulanje com um guia. Segundo relato da namorada, postado no blog, Buchmann deixou sua mochila numa cabana de observação do parque e escalava mais rápido que o guia. "Como tinha intenção de voltar no mesmo dia, pediu ao guia para voltar e pegar sua mala pequena, com medo de que o posto de entrada fechasse", escreveu. No entanto, o tempo fechou, havia muita neblina no Mulanje e Buchmann não foi mais visto. Depois do Malawi, o economista passaria por Moçambique e voltaria ao Brasil no dia 28 de julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.