Corpo de estudante é encontrado no mar em Búzios

Foi localizado nesta tarde no mar de Búzios, na Região dos Lagos, o corpo do estudante Fábio Matos, de 19 anos, que estava desaparecido desde a última quinta-feira. Ele se afogou ao mergulhar num local conhecido como Garganta do Diabo, que, segundo o Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros (G-Mar), é extremamente perigoso. Uma equipe formada por 38 bombeiros passou todo o dia tentando localizar o também estudante Ricardo Valadão, de 24 anos, amigo de Matos, que mergulhara com ele. O comandante do G-Mar, coronel Marcos Aurélio Silva, que comandou as buscas em Búzios, disse que o corpo de Matos estava boiando na localidade de Boca da Barra, a 20 quilômetros do local onde ele e Valadão entraram no mar. Para Silva, a causa do afogamento foram as fortes correntes marinhas que estão ocorrendo no Estado nos últimos dias. "A última quinta-feira foi um dia arriscado para os banhistas. Foram feitos 281 salvamentos no Estado", disse o comandate do G-Mar. "A Garganta do Diabo é arriscada porque é cercada por rochedos e o mar bate muito forte. Não é aconselhável para banho" Um outro amigo dos estudantes, cuja identidadade não foi revelada, também mergulhou na Garganta do Diabo na tarde de quinta-feira, mas conseguiu sair da água. Os três haviam saído juntos de Niterói, no Grande Rio, para passar o carnaval em Búzios. Segundo o comandante do G-Mar, o local é deserto e fica a quatro quilômetros por terra da Praia da Ferradura, uma das mais badaladas de Búzios. É na Garganta do Diabo que estão se concentrando as buscas, que envolvem bombeiros de quartéis do Rio, de Búzios e de Cabo Frio. A família do estudante foi para o balneário acompanhar o trabalho dos bombeiros. "Infelizmente, é bastante provável que ele esteja morto, pois nessa região é difícil encontrar abrigo. O mar é muito revolto, com correntezas que podem carregar o corpo para longe", acredita o coronel Silva. O corpo de Fábio Matos, que estava em adiantado estado de deterioração, foi identificado por familiares ontem à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.