Corpo de pediatra é achado em estrada

Antes, polícia havia encontrado carro onde estava sua filha, de 1 ano

Tiago Décimo, O Estadao de S.Paulo

08 Agosto 2009 | 00h00

O assassinato da pediatra paulista Rita de Cássia Tavares Giacon Martinez, de 39 anos, na Bahia, continua sendo um mistério para a polícia. O corpo da médica foi encontrado na noite de anteontem numa estrada de terra perto de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano. Horas antes, o carro dela, um Chevrolet Zafira preto, havia sido localizado, sem combustível, no acostamento do km 582 da BR-324, entre os municípios de São Sebastião do Passé e Candeias, na Região Metropolitana de Salvador. Dentro do veículo foi encontrada a filha da pediatra, de 1 ano e 8 meses. Ela estava dormindo. De acordo com a Delegacia de Homicídios (DH), que investiga o caso, Rita de Cássia e a filha saíram de casa, por volta das 8 horas de ontem, para comprar presentes para o marido dela, que não teve a identidade revelada, por causa do Dia dos Pais. Foram dominadas na saída de um shopping center, em uma avenida movimentada de Salvador, ainda pela manhã. Suspeita-se que mãe e filha tenham sofrido uma tentativa de sequestro relâmpago. CARTEIRA O que intriga os policiais que investigam o caso é que apenas a carteira de Rita de Cássia foi levada pelos supostos assassinos. A bolsa da pediatra, que guardava joias, e as compras feitas no shopping center foram deixadas intactas dentro do veículo. Por não ter pistas sobre o que teria motivado o assassinato, o chefe do Serviço de Investigação da Delegacia de Homicídios, Clóvis Santos, informa que montou duas equipes somente para investigar o crime. A perícia realizada no carro de Rita de Cássia revela grandes manchas de barro na lataria e sinais de sangue no interior do veículo. Apesar disso, no corpo da vítima não foram encontrados lesões causadas por tiros ou ferimentos decorrentes de uso de arma branca. Por causa das lesões detectadas no corpo, a polícia suspeita que a médica tenha sido espancada até perder os sentidos e, depois, acabou sendo atropelada pelos assassinos. Na tarde de ontem, o corpo da pediatra foi velado no Cemitério do Campo Santo, em Salvador, onde Rita de Cássia morava havia dez anos. Segundo os familiares, que não quiseram se pronunciar sobre o crime, o corpo será transferido hoje para São Paulo, onde vai ser enterrado. HOSPITAL Rita era casada e morava em Salvador com o marido e a filha. Seus parentes mais próximos, como a mãe e a irmã, moram em São Paulo. Ontem, familiares foram para Salvador, mas não quiseram dar entrevistas. O marido da médica foi quem reconheceu o corpo da mulher no Instituto Médico Legal (IML). Segundo policiais, Rita trabalhava no Hospital Santa Izabel em Salvador havia nove anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.