Corpo do traficante Vado é enterrado no Rio

Policiais à paisana registraram com câmeras de vídeo o velório e o enterro dos traficantes Valdir Ferreira, o Vado, e Rodrigo Cláudio de Moraes Silva, mortos em confronto com policiais do 3º Batalhão da PM (Méier) na noite de terça-feira na Favela do Jacarezinho, zona norte. Aproximadamente 150 pessoas acompanharam o enterro dos criminosos, hoje de manhã, no cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul. Apesar do policiamento ter sido reforçado, houve protestos contra a presença da imprensa e um cinegrafista foi agredido.Durante a madrugada, um grande número de pessoas esteve no velório. Uma dezena de coroas de flores foram enviadas para Vado, cujo caixão foi coberto com a bandeira do Clube de Regatas do Flamengo. O traficante se tornou conhecido por uma conversa telefônica com o cantor de pagode Marcelo Pires Vieira, o Belo, interceptada pela polícia, em abril, com autorização judicial.No diálogo, segundo a polícia, o traficante pede dinheiro para comprar drogas. Belo, em troca, quer um fuzil. O pagodeiro acabou passando 36 dias preso e agora responde em liberdade a processo por associação ao tráfico, tráfico de entorpecentes e porte ilegal de armas.

Agencia Estado,

22 de agosto de 2002 | 19h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.