Corpo é encontrado dentro de carro em Ipanema

O corpo de um homem, ainda não identificado, foi encontrado na manhã deste domingo, 18, em frente ao Posto 9 da praia de Ipanema, zona sul do Rio, um dos locais mais freqüentados pela juventude carioca. Ele estava dentro de um carro Fox, cor prata, na Avenida Vieira Souto, um dos metros quadrados mais caros do País. O forte cheiro atraiu a atenção das pessoas que caminhavam pela orla carioca; o homem, de cerca de 30 anos, teria sido torturado, segundo a polícia.A polícia foi chamada e montou uma operação para a retirada rápida do carro com o cadáver ainda dentro do veículo. O homem morto possuía uma marca de tiro na cabeça, estava vestido com uma camisa vermelha e bermuda branca. A cabeça da vítima estava coberta por uma camisa preta. O fato da Avenida Vieira Souto ter servido como ponto de desova chocou os moradores do bairro e os freqüentadores da praia. O episódio chocou os moradores e foi um dos cinco casos de homicídio registrados no fim de semana."Um guardador de carros contou que o carro foi deixado no local um dia antes. O corpo foi descoberto apenas por causa do mau cheiro, pois a película protetora nos vidros impedia a visão do cadáver. A chave estava na ignição", disse um policial militar. Uma cabine da PM fica a poucos metros do local.Ao contrário de outras regiões do Rio, onde a remoção de cadáveres costuma ser demorada , a polícia montou uma operação para a retirada rápida do corpo sem despertar a atenção das milhares de pessoas que caminhavam pela orla do bairro, por volta das 10h30. Um reboque da Polícia Militar levou o carro com o corpo dentro para o pátio da 14ª Delegacia de Polícia, do Leblon, onde a perícia foi concluída."A perícia de local foi feita lá (na Vieira Souto). O carro foi rebocado para tomada de impressões digitais e para que não ficasse expondo o público ao constrangimento. Fui eu que determinei, por questão de bom senso. Para esperar o rabecão (carro de recolhimento de corpos) , eu trago (o cadáver) à delegacia", disse o delegado da 14ª DP, José Alberto Lages, negando ter violado protocolo da perícia.A Polícia Civil afirmou oficialmente no início da noite que, no local onde o veículo foi achado com o corpo, foram feitas apenas fotos. Segundo Lages, o carro foi roubado no último dia 13, em Botafogo, na zona sul, provavelmente apenas para servir de transporte para a desova. Ele não quis dizer se considerava um desafio dos criminosos o carro ser abandonado em uma área nobre da cidade. "Não sou pago para especular, mas para apurar", declarou.O caso impressionou até as pessoas acostumadas ao cotidiano violento da cidade. Moradora de Parada Angélica, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, a ambulante Eliane Souza, de 32 anos, achou o crime "absurdo". "Onde eu moro aparece uns três corpos abandonados por mês. Aqui é a primeira vez que eu vejo. Acho que todos os lugares estão ficando parecidos ", afirmou.AssaltoEm Curicica, na zona oeste da capital, mãe e filha foram mortas em uma tentativa de assalto na noite de sábado, 17. Nadjara de Almeida Teles da Cruz, de 54 anos, e a filha Maiara Rafaela de Almeida Pazzanolo, de 24, foram baleadas junto com o namorado da moça Capril Teles Kam, de 21, que foi internado em estado grave.O corpo um homem foi abandonado por traficantes na Tijuca, zona norte, nas proximidades do Morro do Turano. Em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, o barbeiro Douglas Cabral Fidélis, de 21, também foi encontrado morto.Texto alterado às 19h38 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.