Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Corpo é identificado em Mariana; número de mortes sobe para 9

10 pessoas seguem desaparecidas; Samarco afirma que pagou R$ 500 milhões acertados em Termo de Compromisso Provisório

Leonardo Augusto, Especial para o Estado

27 Novembro 2015 | 09h55

BELO HORIZONTE - Sobe para nove o número de mortes confirmadas pelo rompimento da barragem da Samarco no Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais. Nesta quinta-feira, 26, um dos corpos encontrados na região foi identificado como o de Mateus Marcio Fernandes, de 29 anos, funcionário de uma empresa terceirizada da mineradora.

O corpo foi localizado pelos bombeiros na madrugada em Ponte do Gama, subdistrito de Monsenhor Horta, a cerca de 30 quilômetros, em linha reta, de Bento Rodrigues. A identificação foi feita pela família pela arcada dentária.

Com a identificação do corpo, o número agora de desaparecidos depois da tragédia em Mariana é de dez. Outros quatro corpos ainda não foram identificados. 

Pagamento. A Samarco divulgou nota na noite desta quinta-feira afirmando ter feito o depósito, no valor de R$ 500 milhões, acertado dentro do Termo de Compromisso Provisório (TCP) fechado com o Ministério Público Estadual (MPE) e o Ministério Público Federal (MPF) para pagamento de danos pelo rompimento da barragem da empresa no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana. O montante corresponde à metade do total previsto. Conforme o acordo, o restante será repassado sob a forma de garantia bancária até 16 de dezembro.

Peixes mortos. O vazamento da lama da barragem da Samarco, que pertence à Vale e à anglo-australiana BHP Billiton, causou também devastação ambiental.

Nesta quinta-feira, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) informou que 11 toneladas de peixes morreram em função dos rejeitos de minério de ferro que atingiram o Rio Doce. Do total, oito toneladas foram recolhidas em Minas Gerais e três no Espírito Santo, onde o rio deságua no mar. Ainda segundo o instituto, a retirada dos peixes mortos, que é feita pela Samarco, ainda não terminou.

Depoimentos. O diretor-presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, será ouvido pelo MPE em Mariana na próxima terça-feira, 1º. Na última quarta-feira, o executivo, e também representantes da Vale e da anglo-australiana BHP Billiton, prestaram depoimento à força-tarefa montada por procuradores do Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais para apurar as causas do rompimento da barragem da Samarco em Bento Rodrigues.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.