Alessandra Oliveira
Alessandra Oliveira

Corpo fica por duas horas estendido em praia de Florianópolis

Jadson Pereira foi esfaqueado e morreu na orla; comerciantes disseram que banhistas logo voltaram ao lazer após crime

Aline Torres, Especial para O Estado

25 Janeiro 2016 | 17h39

FLORIANÓPOLIS - Um vendedor de queijo coalho que trabalhava na praia da Lagoinha do Norte, em Florianópolis, foi assassinado a facadas no domingo, 24. Ele morreu nas areias da praia e seu corpo permaneceu no local por duas horas. A polícia investiga os motivos para o crime.

Alagoano, Jadson da Silva Pereira tinha 23 anos e viajou de Maceió para trabalhar durante a temporada em Florianópolis. No domingo, 24, os salva-vidas o viram sendo perseguido por dois homens. Ele foi esfaqueado no rosto, nas costas e no abdome pelos criminosos. Pereira não resistiu aos ferimentos. Antes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegar, já tinha falecido. A Delegacia de Homicídios investiga o caso. O delegado Ênio de Mattos não crê em racismo como motivação.

A cena que envolveu o assassinato deixou outros comerciantes que trabalham na praia impressionados com o desdém da população. O corpo do vendedor permaneceu por duas horas na areia.

Matheus da Conceição Prado, 29 anos, vende água mineral em frente à guarita onde Pereira foi assassinado. Ele conta que as pessoas não demoraram a voltar ao lazer e ignoraram o corpo estirado na areia. "As mulheres estavam lá, passando bronzeador. As crianças brincando no mar. Pessoal pedindo coisas pra comer e beber. E ele ali, com uma cobertinha azul. Fui pra casa me sentindo mal. Poderia ser comigo, ninguém iria se importar", disse.

Virose. Desde o dia 7 de janeiro, cerca de 1,5 mil pessoas foram medicadas na Unidade de Pronto Atendimento do Norte da Ilha com febre, vômito e diarreia. Turistas vão a Canasvieiras mascarados, para evitarem o cheiro do esgoto. Das 42 praias da Ilha, 30 estão poluídas pela ineficiência do saneamento básico na capital.

O presidente do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Florianópolis, Tarcísio Schmidt, culpou os nordestinos pela virose. Schmidt diz acreditar que seja o queijo coalho, vendido nas praias da Ilha pelos nordestinos, o responsável pelas contaminações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.