Corpos de quatro estudantes são encontrados em Goiás

Outra aluna de escola estadual de Aparecida de Goiânia continua desaparecida; grupo foi visto pela última vez no dia 19

Marília Assunção, O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2013 | 13h18

GOIÂNIA - O Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) da cidade de Aparecida de Goiânia, em Goiás, trabalha para esclarecer a execução de quatro dos cinco adolescentes que desapareceram há uma semana da cidade.

Três meninas e dois rapazes, entre 15 e 18 anos, saíram juntos do Colégio Estadual José Bonifácio da Silva, no Setor Campos Elísios, em Aparecida, após assistirem às aulas, às 13 horas do dia 19. Depois disso, não foram mais vistos com vida.

A adolescente H.M., de 16 anos, pode ter a solução para o caso. Ela teria telefonado na semana passada para a família, mas ainda está desaparecida.

O primeiro corpo a ser localizado foi o de Dênis Pereira dos Santos, de 16 anos, encontrado no dia 19, data em que os jovens desapareceram, com um tiro na cabeça, na Serra das Areias, uma reserva ambiental. Uma semana depois, na noite de segunda, os corpos de Neylor Henrique Gomes, de 18 anos, Raíssa Souza Ferreira e Daniele Gomes da Silva, ambas de 15 anos, foram localizados também na Serra das Areias, mas, segundo o titular do GIH, Kléber Toledo, em um ponto diferente da primeira vítima. O Instituto Médico-Legal confirmou na tarde de terça-feira que os três adolescentes também foram executados com tiros na cabeça.

O Corpo de Bombeiros chegou a fazer buscas na reserva junto com familiares dos adolescentes. Na segunda, uma pessoa avistou os corpos, todos carbonizados, e ligou para a Polícia Militar, que acionou o GIH.

O chefe do GIH disse que o quádruplo homicídio ainda intriga a corporação, mas adiantou que tem uma linha de investigação que não vai divulgar, mas que descarta envolvimento das vítimas com drogas e outros delitos, pelo menos por enquanto. Segundo ele, no meio da semana passada, a jovem que ainda está desaparecida telefonou dizendo que estava em Piracanjuba, uma cidade distante cerca de 70 km de Aparecida.

Familiares solicitaram buscas na cidade, mas a garota não foi localizada. "Os parentes, no entanto, têm convicção de que foi ela quem telefonou", afirmou o delegado.

O delegado explicou que ouviu vários familiares das quatro vítimas na semana do desaparecimento e agora quer ouvi-los novamente "para ver se, com a confirmação das mortes, eles não vão acrescentar ou mudar algo". Os três corpos encontrados na segunda-feira foram identificados por parentes.

Espanto. O sumiço e as mortes dos jovens causaram espanto na escola onde os cinco estudavam, em duas turmas diferentes, ambas do 1.º ano do ensino médio. A diretora do Colégio José Bonifácio, Míriam Amorim, descreveu os cinco como bons alunos, integrados e queridos. Ela disse que, no dia do desaparecimento, eles tinham participado de uma apresentação teatral no pátio da escola. O colégio ficou fechado na terça, em luto pela morte dos estudantes.

Tudo o que sabemos sobre:
ViolênciaGoiás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.