Reuters
Reuters

Corpos estão entre destroços de avião da Air France, diz ministra francesa

Foi achada grande parte da fuselagem do Airbus que caiu no mar durante o voo 447, entre Rio-Paris, em 2009

Daniela Fernandes, BBC

04 Abril 2011 | 08h18

PARIS - Corpos de passageiros do voo 447 da Air France, que caiu sobre o Atlântico há quase dois anos, após decolar do Rio de Janeiro, foram encontrados dentro de uma grande parte da fuselagem localizada no mar no domingo. A afirmação foi feita nesta segunda-feira pela ministra francesa dos Transportes, Nathalie Kosciusko-Morizet.

 

Veja também:

som Estadão ESPN - Andrei Netto fala sobre novos destroços

especialEspecial - Passo a passo do voo AF 447

lista Lista - Tudo o que foi publicado sobre o acidente

 

De acordo com Nathalie, alguns corpos no interior do avião poderiam vir a ser identificados. "É uma parte importante do avião, cercada por destroços. É uma parte que permaneceu praticamente intacta, em uma única peça", disse a ministra. Segundo ela, essa descoberta "dá aos investigadores esperanças de localizar rapidamente as caixas-pretas do avião".

 

Ao ser indagada por um jornalista se tratavam-se de "vestígios" dos restos mortais dos passageiros da aeronave, a ministra francesa afirmou: "Mais do que vestígios, há corpos".

 

O voo AF 447 da Air France, que fazia o trajeto Rio-Paris, desapareceu dos radares na noite de 31 de maio de 2009 (pelo horário brasileiro) com 228 pessoas a bordo. Somente cerca de 50 corpos foram encontrados, pouco após a catástrofe.

 

Buscas. O secretário-executivo dos Transportes, Thierry Mariani, também afirmou nesta segunda-feira, em entrevista à radio France Info, que corpos foram localizados na área da fuselagem. "Em razão do aspecto sensível, guardamos os detalhes para as famílias das vítimas, que serão informadas com prioridade", disse Mariani.

 

A descoberta da fuselagem ocorre pouco após o início da quarta fase de buscas do avião, no dia 25 de março, em uma nova área de 10 mil quilômetros quadrados que não havia sido vasculhada até então. Esta quarta fase de buscas era considerada como a "operação da última chance" para encontrar as caixas-pretas do avião.

 

"Pudemos identificar nas fotos que foram tiradas por um dos robôs submarinos diferentes elementos do avião, principalmente os motores", disse Jean-Paul Troadec, diretor do Escritório de Investigação e Análises da França (BEA, na sigla em francês), órgão responsável pelas investigações sobre as causas do acidente. "Na realidade, é a descoberta da fuselagem", afirmou Troadec. Até então, a única grande peça do avião da Air France localizada tinha sido o leme do Airbus.

 

No domingo, o BEA havia informado que além dos motores, partes das asas também haviam sido encontradas. Troadec afirmou ainda que como o barco americano Alucia, utilizado atualmente nas buscas, não está equipado para retirar a fuselagem do oceano, uma nova expedição será iniciada nas próximas semanas para resgatar os destroços.

 

Caixas-pretas. Os investigadores do BEA não têm certeza, no entanto, se as caixas-pretas, caso sejam encontradas, estarão conservadas o suficiente para que os dados técnicos gravados e as conversas dos pilotos possam ser analisadas. "As caixas-pretas estão mergulhadas há quase dois anos. É preciso encontrá-las e que elas estejam em estado de funcionamento. É uma das incertezas da operação", disse o secretário-executivo dos Transportes.

 

Os especialistas do BEA afirmam que é indispensável encontrar as caixas-pretas do avião para identificar as causas do acidente. "É importante para as famílias das vítimas e para a aviação civil compreender as causas desse acidente para evitar acidentes semelhantes", afirmou Mariani. Até o momento, o BEA afirma que os sensores de velocidade do avião, os chamados tubos pitot, são um dos elementos que provocaram problemas no avião, mas não a causa do acidente.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.