Corpos são achados e sobe para 35 o número de mortos em SC

Quatro cidades continuam isoladas; secretários Nacional e Estadual de Defesa Civil se reúnem com o governador

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

24 de novembro de 2008 | 09h42

Mais sete corpos foram encontrados pela Defesa Civil de Santa Catarina na manhã desta segunda-feira, 24, e subiu para 35 o número de mortes causadas pelas chuvas na região. O número de desalojados e desabrigados também subiu. São 12.484 desabrigados e 7.405 desalojados no Estado, que tem mais de 1,5 milhão de pessoas afetadas pelas chuvas. Os municípios de Rio dos Cedros, Pomerode, Itapoá e Benedito Novo continuam isolados na manhã desta segunda.     Veja também: Blog é criado para ajudar moradores afetados em Blumenau Chuvas no Paraná deixam 200 desabrigados  Explosão de gás abre cratera e interdita BR-470 em SC Temporais devem atingir 16 estados e o DF até 2ª feira   A cidade de Blumenau é a mais atingida, com dez mortos. Em Jaraguá do Sul, são sete vítimas das chuvas; Ilhota tem 5 vítimas das chuvas e Luiz Alves 4. As cidades de Rancho Queimados e Benedito Novo tiveram duas vítimas cada. As cidades de Brusque, Garuva, Gaspar, Pomerode e Bom Jardim da Serra têm uma vítima cada.   Os secretários Nacional e Estadual de Defesa Civil e o governador do Estado, Luiz Henrique da Silveira, vão se reunir na manhã desta segunda para definir as medidas a serem adotadas nas regiões afetadas. No Estado, já são quase 20 mil desabrigados ou desajolados. São 12.484 desabrigados - pessoas que tiveram que sair de suas casas e que precisam de ajuda do Estado. Em Santa Catarina, já são 7.405 desalojados - pessoas que foram obrigadas a sair de suas casas por conta das chuvas e isolamentos, mas que não precisam de ajuda do Estado pois podem ir para casas de parentes ou amigos.   Às 6 horas desta segunda, o nível do Rio Itajaí-Açu baixou para a marca de 10,86 metros. O rio fica no centro de Blumenau e causou inundações em 250 ruas da cidade quando atingiu o nível de 11,52 metros às 24 horas do domingo. O prefeito João Paulo Kleinübing decretou estado de calamidade pública em Blumenau na noite de domingo. No sábado, ele já havia decretado situação de emergência, mas, devido ao agravamento do quadro na cidade, com novas quedas de barreiras e enxurradas, optou-se pela calamidade.   Situação em Blumenau   O maior número de mortos por desabamentos - dez vítimas - ocorreu em Blumenau. A prefeitura local solicitou aos empreiteiros que coloquem à disposição da comunidade equipamentos úteis no auxílio às pessoas desabrigadas e em situação de risco na cidade. O pedido é para equipamentos como retroescavadeiras, carregadeiras, escavadeiras hidráulicas e caminhões. "Precisamos da colaboração de todas as empreiteiras disponíveis, as que prestam serviço à prefeitura e também as demais", disse ao portal da prefeitura o diretor de Manutenção de Obras da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, Éder Lúcio Marchi.   Ele sugeriu que a melhor maneira de colaborar é ajudando no próprio bairro onde a empreiteira está localizada ou nas imediações. As empresas devem procurar as sedes da Secretaria de Obras nos bairros, conhecidas como "ranchos", onde estão trabalhando fiscais e engenheiros da Prefeitura.   Ajuda federal    O governador Luiz Henrique (PMDB), de Santa Catarina, conversou por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para reforçar o pedido de auxílio à região de Blumenau, principalmente com helicópteros nas áreas isoladas da cidade. Ao presidente, o governador disse que o maior problema na região é a chuva constante.    Luiz Henrique também fez contato neste domingo, 23, com governadores do Paraná, Roberto Requião (PMDB), e do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), para pedir apoio no atendimento às vítimas das fortes chuvas que castigam o estado nos últimos dias. O governo gaúcho informou já ter colocado à disposição da Defesa Civil catarinense um depósito com colchões, cobertores e travesseiros.     As fortes chuvas na região começaram há cerca de dois meses e o governador decretou situação de emergência no Estado no sábado. Segundo informações do site do governo de Santa Catarina,  Luiz Henrique visitou as cidades de Brusque, Gaspar e Blumenau e deverá também se deslocar para Joinville. O governador pediu que a população do Vale do Itajaí evite sair de suas residências devido aos vários pontos de rodovias estaduais e federais afetados. "Faço um apelo para que as pessoas não se desloquem e, se estiverem em trânsito, que observem as várias situações do trajeto".   Abastecimento e energia   Na noite de domingo, as Centrais Elétricas do Estado (Celesc) informaram que mais de 250 mil pessoas estão sem energia elétrica no Estado, sendo 150 mil em Blumenau e o restante nos municípios próximos. Há alguns casos isolados na região da Grande Florianópolis. Na região de Blumenau, caso mais crítico, as equipes trabalham com reforço, porém as condições do tempo e a noite atrasam o restabelecimento. A principal causa da interrupção naquele município foi por deslizamentos de terra. No restante do Estado, a energia deve ser reestabelecida ainda neste domingo.   Algumas regiões da Grande Florianópolis ficarão sem água por conta dos problemas causados pelo excesso de chuvas dos últimos dias, informou a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). Além de áreas de Florianópolis, inclusive da parte continental da capital catarinense, ficarão desabastecidos entre as 20 horas deste domingo e as 8 horas de segunda os municípios de São José e Biguaçu. Das 8 horas às 20 horas de segunda-feira, o racionamento de água atingirá Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz e a região central de Florianópolis.   Previsão   Os meteorologistas da Epagri/Ciram informaram que a condição de chuva continuará crítica nas próximas 24 horas, podendo chover entre 60 e 80 mm no Vale do Itajaí, 60 mm na Grande Florianópolis e entre 70 e 100 mm na região no Litoral Norte. O volume de chuva entre sexta-feira , 21, e as 9 horas da manhã deste domingo, superou 524 mm em Luiz Alves, 455 mm em Balneário Camboriú, 403 mm em Itajaí e em Itapoá, 300 mm em Blumenau, 254 em São José e 216 em Florianópolis.   A previsão dos meteorologistas é de que a chuva em Santa Catarina continue até a manhã de quarta-feira, mas com menor intensidade do que a registrada nos últimos dois dias. Nas regiões da Grande Florianópolis, médio e baixo Vale e litoral norte, o nível previsto de chuva até quarta-feira é entre 40 e 60 milímetros. Nas últimas 24 horas, choveu entre 200 mm e 300 mm nestas regiões.   (Com Solange Spigliatti e Fabiana Marchezi, do estadao.com.br, Michelly Teixeira, da Agência Estado, e Júlio Castro, de O Estado de S.Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.