Corrêa teria admitido titularidade de conta na Suíça

O ex-subsecretário de AdministraçãoTributária no governo de Anthony Garotinho (1999-abril de 2002)Rodrigo Silveirinha Corrêa, acusado de ter depositado US$ 8,9milhões num banco na Suíça e de comandar um esquema de corrupçãona gestão passada que envolve outros sete fiscais, teriaadmitido a titularidade de uma conta em Genebra, de acordo comdocumentos do Ministério Público Federal (MPF) revelados pelarevista "Época" desta semana. O depoimento derruba o principalargumento que ele vinha usando nos últimos dias para se defenderda acusação. Na semana passada, Corrêa - exonerado pela governadoraRosinha Garotinho (PSB) dois dias depois de ter sido nomeadopresidente da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado- considerou "um absurdo" as denúncias, negou que tenha sidoouvido sobre o caso por autoridades suíças e repetiu a mesmaexplicação numa série de entrevistas, afirmando que "jamais"abriu ou autorizou alguém a abrir conta em nome dele em bancosfora do País. "Se, de repente, aparece alguma conta aberta naSuíça em meu nome, sem minha autorização, sem meu conhecimento ecom dinheiro que não é nem nunca foi meu, só posso pensar quealguém usou meu nome indevidamente", disse. Explicação - No entanto, segundo a revista, o diretor eporta-voz do Union Bancaire Priveé (UBP), Michael Wyler, afirmaque ele e os outros sete acusados de serem responsáveis pelaremessa ilegal do total de US$ 33,4 milhões ao banco foramconsultados para saber a origem do dinheiro, mas "a explicaçãonão convenceu". O advogado de Corrêa, Clóvis Sahione, não foi localizadohoje pela reportagem em sua casa para comentar a nova acusação. Os depoimentos dos oito brasileiros envolvidos no caso -quatro funcionários do governo do Estado, entre eles oex-subsecretário de Administração Tributária do Estado do Rio equatro da Receita Federal - foram postos na documentaçãoentregue pelo Ministério Público suíço à Procuradoria-Geral doBrasil. Petição - A "confissão" de Corrêa está na petiçãoenviada pelo MPF à Justiça em 2002. O documento mostra asjustificativas apresentadas pelos oito investigados e pede àJustiça brasileira o seqüestro dos valores depositados, o queocorreu na semana passada. Em 2002, o UBP comprou o Discount Bank and Trust Companye, como é de praxe quando uma instituição bancária adquire outrano país, promoveu uma auditoria. De acordo com a reportagem, osauditores desconfiaram da origem dos dólares em nome dosbrasileiros. Como a nova legislação suíça prevê punições parainstituições financeiras que protegem contas suspeitas, asjustificativas dos acusados foram encaminhadas ao órgão federalque investiga lavagem de dinheiro. Passaporte - Na entrevista à "Época", Wyler diz aindaque todos os correntistas estrangeiros do banco são obrigados aapresentar o passaporte original. Depois de conferir aautenticidade do documento, a instituição financeira fica comuma cópia - o Discount Bank and Trust Company teria no cadastrode correntistas uma reprodução do passaporte do ex-secretário deAdministração Tributária do Estado. Em razão da desconfiança sobre a origem do dinheiro,antes mesmo de receber uma ordem judicial do Brasil, o UBPbloqueou, por iniciativa própria, os US$ 33,4 milhões. Somente na semana passada, a Justiça brasileiradeterminou o seqüestro dos depósitos e tornou indisponíveis osbens dos oito investigados. Também foi autorizada a quebra dosigilo fiscal e bancário dos envolvidos. Crise - O caso abriu uma crise no governo. Será abertauma comissão parlamentar de inquérito (CPI) na AssembléiaLegislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para investigar osenvolvidos no suposto esquema. Ontem, Rosinha afirmou, durante a posse do novoprocurador-geral de Justiça do Estado, Antônio Vicente da CostaJúnior, que autoriza o Ministério Público Estadual (MPE) aquebrar qualquer tipo de sigilo fiscal, bancário e telefôniconas investigações sobre o caso, sempre que houver suspeita deextorsão e remessa ilegal de dólares para o exterior por partedos fiscais. A quebra de sigilo, no entanto, é sempredeterminada por um juiz. Veja o índice de notícias sobre a corrupção no Rio

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.