Corregedor diz que mortos no Borel não resistiram à PM

O corregedor João Luiz Pinaud, da Corregedoria-Geral Unificada, descartou nesta quinta-feira a hipótese de que os quatro homens mortos por PMs no Morro do Borel em abril último tenham resistido à polícia. ?Não há nenhum indício de que eles tenham resistido. Não só pela trajetória das balas e pelas provas testemunhais, mas também pela inexistência de armas em poder deles?, afirmou Pinaud, que ouviu moradores da favela e os policiais militares do 6º Batalhão envolvidos no caso, afastados de suas funções desde a denúncia.Nesta quinta, peritos da Polícia Federal e corregedores estiveram no Borel. Pinaud informou que o delegado titular da 19ª Delegacia Policial, na Tijuca, Orlando Zaccone, que preside um inquérito paralelo à investigação da corregedoria, concorda com suas conclusões.O corregedor não quis adiantar que outras hipóteses estão sendo levadas em consideração, mas em carta enviada à imprensa e ao governo federal, moradores do Borel afirmam que as vítimas foram executadas sumariamente, apesar de não terem ligação com o tráfico de drogas no morro.Caso Pinaud conclua que os PMs cometeram crime, o inquérito será enviado para a corregedoria interna da corporação, onde será acompanhado por um observador da Corregedoria-Geral Unificada. Pinaud disse que espera receber o laudo dos peritos da PF na próxima semana e concluir o inquérito em dez dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.