Corregedoria investiga morte de comerciante no 5º DP

O comerciante Delfom de Azevedo Muniz morreu na noite de ontem após levar um tiro em circunstâncias ainda não esclarecidas no sábado, enquanto era detido no 5º Distrito Policial (DP), na Aclimação. A Corregedoria da Polícia Civil está investigando o caso. O enterro ocorreu nesta segunda-feira, em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. Dono de um bar na Bela Vista, no centro da capital, Muniz foi preso por policiais militares por estar com uma arma de numeração raspada. Ele discutia com um ex-empregado no sábado, na frente do estabelecimento. De acordo com a polícia, o comerciante estava embriagado e fazia ameaças a um ex-empregado, com quem tinha dívidas trabalhistas. Durante a briga, Muniz estava com a arma. A discussão chamou a atenção de pessoas que passavam pelo local e de vizinhos do bar. A polícia foi acionada. Os PMs decidiram algemar Muniz e, depois, levaram-no para o 5º DP. De acordo com informações da própria polícia, no momento em que o comerciante chegou, o delegado estava cuidando de outro crime. Ele teria pedido para que um dos investigadores colocasse Muniz em uma ala à parte na carceragem, enquanto terminava um flagrante que estava sendo lavrado no local. Ele foi, então, levado para uma cela. Quando o investigador Anderson Ronaldo da Silva tirou as algemas, o comerciante teria reagido e tentado pegar a arma do policial. Seguiu-se uma luta e o revólver teria disparado acidentalmente, atingindo a cabeça de Muniz. Levado para o hospital, ele morreu no dia seguinte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.