PAULO VITOR/ESTADÃO
PAULO VITOR/ESTADÃO

Corte de gastos já ameaça reposição de servidores do IBGE

Dos 5.497 efetivos, 2.071 poderiam estar aposentados e não há previsão de concurso; Planejamento confirma cancelamento de Contagem da População

Daniela Amorim, Idiana Tomazelli e Ayr Aliski , O Estado de S. Paulo

27 Março 2015 | 03h00

Estimada em R$ 2,6 bilhões, a Contagem da População 2016, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi cancelada por causa do alto custo, admitiu nesta quinta-feira, 26, o Ministério do Planejamento. O Estado revelou a decisão do governo Dilma Rousseff de suspender a pesquisa em meio ao ajuste fiscal. Além dos estudos, a falta de recursos ameaça também a reposição de mão de obra qualificada no órgão.

Até o mês passado, o IBGE tinha 5.497 servidores efetivos. Do quadro de funcionários, 2.071 já recebem abono por permanência, uma vez que já poderiam ter se aposentado - 37% do total dos servidores.

O IBGE pediu neste ano ao Ministério do Planejamento, ao qual é vinculado, a realização de concurso público para preenchimento de 1.564 postos de trabalho. O número de vagas solicitadas caiu para 660. 

“Desde 2011, foram quase 2 mil aposentadorias. Outras 200 pessoas saíram por exoneração, em busca de melhores condições de trabalho ou salariais. Nesse mesmo período, entraram pouco mais de 600 novos servidores”, disse Ana Magni, diretora do Sindicato Nacional de Servidores do IBGE (ASSIBGE). Segundo a entidade, 42% do quadro de funcionários efetivos têm mais de 31 anos de serviço. “É gente que está indo embora já”, disse Ana. 

Em dezembro de 2014, cinco entre as mais de 500 agências do IBGE já não tinham nenhum servidor efetivo, apenas temporários. Outros 25 postos operavam com só um efetivo. Mais 180 agências, com dois efetivos. 

“Todo o trabalho de coleta fica ameaçado porque não tem servidor para treinar os temporários, que entram e saem toda hora”, afirmou Ana. Entre os indicadores que usam o sistema de coleta de informações em campo estão a taxa de desemprego, apurada pela Pesquisa Mensal de Emprego, e a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

Aperto. Em nota, o Ministério do Planejamento informou que “ainda não há decisão quanto ao número de vagas que serão autorizadas ao longo deste ano, tanto para o IBGE quanto para o conjunto de órgãos do Executivo Federal”. Afirmou ainda que, apesar do cancelamento da contagem em virtude do “alto custo”, outras pesquisas estão garantidas, como o Sistema de Contas Nacionais, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) e Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).

A contagem já havia sido suspensa no ano passado. Na terça-feira, a direção do IBGE, presidido por Wasmália Bivar, divulgou comunicado, obtido pelo Estado, no qual informa sobre o cancelamento da pesquisa. A contagem serve de base para o cálculo do Fundo de Participação dos Municípios e só será atualizada no Censo de 2020.

Mais conteúdo sobre:
IBGE Censo Ajuste fiscal economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.