Divulgação
Divulgação

Corte na Defesa faz Brasil suspender compra de helicópteros da Rússia

Lote final de 6 unidades do Mi-35 deveria ser entregue à FAB até o fim do ano, mas, a reboque dos problemas orçamentários e de assistência técnica para aeronaves já entregues, Jobim mandou contingenciar R$ 112 milhões do programa previstos para 2011

Rui Nogueira / BRASÍLIA e Roberto Godoy/ SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2011 | 00h00

Um dos principais contratos do programa de reaparelhamento das Forças Armadas sofreu um corte profundo: o ministro da Defesa, Nelson Jobim, decidiu suspender o processo de incorporação de novos helicópteros russos Mi-35 à Força Aérea Brasileira (FAB) - onde foram rebatizados com o nome AH-2 Sabre.

A reboque dos problemas orçamentários e de assistência técnica para as seis primeiras unidades já entregues, Jobim mandou contingenciar R$ 112 milhões do programa que deveriam ser gastos ao longo deste ano.

Os 12 modelos Mi-35 que o Brasil comprou da Rússia por cerca de US$ 250 milhões foram incorporados à frota da FAB em abril de 2010. O lote final, de seis unidades, deveria ser entregue até o fim deste ano. O Comando do Exército considerava a possibilidade de adquirir ao menos mais quatro desses "tanques voadores" para equipar a aviação de força terrestre.

O Estado apurou no Ministério da Defesa que Jobim tomou a decisão de paralisar a incorporação dos novos aparelhos aproveitando "o surgimento de argumentos técnicos". Evitando entrar em detalhes, um oficial do Comando da Aeronáutica disse que "não há nenhum problema grave na assistência técnica, mas existem falhas em determinados componentes dos aparelhos que estão no País". Embora o desempenho operacional seja considerado bom, as primeiras aeronaves apresentaram problemas técnicos.

Um deles foi o do estabelecimento de compatibilidade entre a eletrônica de bordo, russa, e o sistema de comunicações da FAB, que segue padrões americanos. Houve dificuldades na adaptação da conexão às fontes externas de energia. Mais recentemente, pedidos de fornecimento de peças e componentes não foram atendidos de forma conveniente.

Os argumentos técnicos são vistos como "razões providenciais" para segurar o orçamento da Defesa. O ministério foi um dos mais atingidos pelo corte total de R$ 50 bilhões que a presidente Dilma Rousseff decretou no início do governo. Dos R$ 15 bilhões aprovados pelo Congresso, a Defesa teve contingenciados, em fevereiro, R$ 4 bilhões.

Só suspensão. Formalmente, o governo brasileiro não rasgou o contrato com a Rússia, apenas suspendeu por todo o ano a incorporação dos Mi-35 e o respectivo desembolso. Além dos 12 helicópteros, cuja compra foi formalizada em outubro de 2008, o Brasil adquiriu um pacote de armamentos e suprimentos para manutenção por cinco anos. O acordo foi assinado no Rio, pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por seu colega russo Dmitri Medvedev.

À época, a imprensa russa, a começar pelo jornal Pravda, avaliou que a importação das aeronaves quebrava uma série de "tabus". Trata-se dos primeiros equipamentos militares pesados comprados da Rússia pelo Brasil, e também os primeiros helicópteros da FAB desenhados especificamente para situações de combate - os que estavam em ação na época eram modelos civis adaptados. O ministro Jobim participou da cerimônia de "batismo" das aeronaves, na Base Aérea de Porto Velho, em Rondônia. Jobim disse ainda que haveria transferência de tecnologia em simuladores de voo.

FICHA TÉCNICA

Modelo: AH-2 Sabre

Fabricante: Mil Moscou Bureau

Tipo: helicóptero de assalto e ataque

Tripulação: 1 piloto; 1 artilheiro; 8 soldados

Comprimento: 17,5 metros

Rotor: 17,3 metros

Peso: 12,2 toneladas

Velocidade: 335 km/hora

Alcance: 450 km

Armamento: canhão rotativo; lançador de foguetes e mísseis; metralhadora lateral; cargas de ataque até 1.500 quilos

Marcha à ré

US$ 250 mi

foi o valor pago por 12 helicópteros Mi-35 incorporados à FAB em 2010

R$ 112 mi

foi o total de recursos que o ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou como contingenciamento da pasta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.