''Cortes no Pronasci preocupam''

Redução no orçamento do programa nacional significa retroceder e agravar a violência no País para coordenador de Fórum

Alexandre Rodrigues, O Estadao de S.Paulo

02 de abril de 2009 | 00h00

A terceira reunião anual do Fórum Brasileiro de Segurança Pública começou ontem em Vitória sob o impacto do corte de gastos de 41% no orçamento do Ministério da Justiça que ameaça o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Em entrevista ao Estado, o coordenador executivo do Fórum, Renato Sérgio de Lima, diz que a reunião de 700 pessoas em torno de novas formas de enfrentar a violência sintetiza a mudança de paradigmas na área.Cortes na área preocupam?Demonstramos no anuário que há uma relação direta entre investimento e queda dos índices de criminalidade. Por isso, o corte preocupa.Nos últimos anos, a escalada de violência teve como resposta o investimento em repressão. O Pronasci propõe um novo paradigma?Descobriu-se que só investir em armas e equipamentos era enxugar gelo. Era preciso investir em armas e equipamentos de forma racional. Na verdade, a construção deste novo paradigma é a pactuação com o que tem dado certo. São Paulo com a redução de homicídios, Minas com a criação do gerenciamento de informações, Pernambuco com uma série de ferramentas tecnológicas. No fundo, governos estaduais e o federal começaram a trabalhar a partir de uma lógica que não é a da reação, mas a de considerar prevenção e repressão partes do mesmo processo. O anuário do fórum divulga e tenta uniformizar estatísticas estaduais. Elas são confiáveis?Temos um grupo de 12 Estados com maior confiabilidade. A principal dificuldade existente hoje no Brasil no que diz respeito a estatísticas é de natureza política.Investir em estatística dá certo? Algum Estado é modelo?Acho que os 12 Estados são bons exemplos. Houve um avanço gigantesco em São Paulo com a criação do Infocrim. Um caso interessante é o da gerência estatística do Espírito Santo. Eles publicam relatórios diários e têm um controle apurado do que acontece, têm todas as ferramentas de informática e um time muito bom no grupo de informação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.