CPI cobra da Prefeitura de São Paulo pagamento ao Iprem

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Instituto de Previdência Municipal (Iprem) vai pedir à Prefeitura que pague a dívida de cerca de R$ 1,3 bilhão com o Iprem.O débito refere-se a empréstimos contraídos pelo Executivo durante o governo do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) e a irregularidades no repasse das contribuições pagas mensalmente pelos servidores.Nesta quinta-feira, os membros da CPI votam o relatório final. Segundo o presidente da comissão, Claudio Fonseca (PC do B), as investigações detectaram uma série de irregularidades entre 1993 e 2000, que coincide com as gestões Maluf e Pitta (PSL).Apenas em relação aos empréstimos, o débito atualizado no ano passado era de R$ 554 milhões. O dinheiro faz parte de uma série de acordos entre Maluf e o instituto, em 1996.Os empréstimos foram investigados por outra CPI na Câmara, a da Dívida Pública, no fim do ano passado. Na ocasião, Maluf e Pitta negaram qualquer irregularidade. Os parlamentares vão pedir o indiciamento do ex-superintendente do Iprem na ocasião, Bertoldo Saloum.Outro problema detectado pela CPI foi o contrato entre o Iprem e a Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (USP), em 1996. Segundo Fonseca, o órgão foi contratado para informatizar departamentos do Iprem. "O serviço foi pago, mas não realizado", afirmou.O relatório também propõe investigação sobre supostas pensões fictícias. A prefeita Marta Suplicy (PT) propõe o parcelamento de parte da dívida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.