CPI continua investigando Denise Abreu, informa Torres

Dados dos sigilos bancário, fiscal e telefônico, quebrados pelos senadores esta semana, serão analisados

LUCIANA NUNES LEAL, Agencia Estado

24 Agosto 2007 | 19h19

Apesar de ter deixado o cargo de diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu continua a ser investigada pela CPI do Apagão Aéreo do Senado. Os dados dos sigilos bancário, fiscal e telefônico, quebrados pelos senadores esta semana, serão analisados pelos técnicos da CPI assim que forem enviados pelos bancos, pela Receita Federal e pelas companhias telefônicas, informou nesta sexta-feira, 24, o relator da CPI, Demóstenes Torres (DEM-GO). "Foi bom para o Brasil. Ela estava comprometida, com a imagem desgastada. E o setor aéreo exige confiança. Agora, a Anac devia deixar de existir", afirmou Demóstenes.   Veja também: Denise está na berlinda desde o acidente da Gol A íntegra da carta de demissão de Denise Abreu MPF pede afastamento provisório de Denise Anac já sabia que avião poderia 'varar' pista Empresas e Anac discutiram norma, diz dossiê Diretora diz que não sai e ministro se irrita MPF apura crimes ligados ao uso do documento Todas as notícias sobre a crise aérea  Especial sobre a crise aérea  Integrante da CPI do Apagão Aéreo da Câmara, o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) considera fundamental que os demais diretores da Anac sejam investigados. "Não há motivo para comemorar, isto só reforça a tragédia da gestão. Denise Abreu não pode ser responsável sozinha", afirma.   Para Fruet, pesou no pedido de demissão a decisão do ministro da Defesa, Nelson Jobim, de abrir inquérito para investigar o envio de documento sem valor legal ao Tribunal Regional Federal (TRF) de São Paulo. "Quando se abre o processo administrativo, a pressão aumenta: ou renuncia ou é afastada. Ela preferiu renunciar", disse.Para o vice-presidente da CPI da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a situação de Denise era "politicamente insustentável" e a ex-diretora "teve a melhor atitude, para o bem dela". Além do inquérito que será aberto segunda-feira no Ministério da Defesa, Cunha acredita que foram decisivos na saída de Denise Abreu o desempenho no depoimento contraditório feito aos deputados, ontem, e a decisão do Ministério Público Federal em São Paulo de investigar Denise por suspeita de falsidade ideológica ou de falso testemunho.

Mais conteúdo sobre:
crise aéreaDenise AbreuAnac

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.