CPI da Pedofilia aprova abertura de 3,2 mil contas do Orkut

Também foi aprovado requerimento da Receita sobre a política de tributação de empresas sediadas no exterior

Agência Senado

09 Abril 2008 | 13h25

A CPI da Pedofilia aprovou nesta quarta-feira, 9,  requerimento que determina a quebra de sigilo de 3.261 álbuns de fotografias do Orkut e permite a transferência à comissão de dados de suas páginas relativos a pedofilia e pornografia infantil.  Veja Também:Google estuda trazer ao Brasil filtro para Orkut Também foi aprovado requerimento solicitando esclarecimentos da Receita Federal sobre a política de tributação de empresas sediadas no exterior, mas que tenham produtos consumidos no Brasil - como é o caso dos serviços oferecidos pela Google. Em seguida, a reunião foi encerrada.   Depois de três anos de resistência, o Google comprometeu-se a fornecer ao Ministério Público Federal e à ONG SaferNet, responsável pela Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, dados de usuários que praticaram crimes de pedofilia no site de relacionamentos da empresa, o Orkut.  A promessa foi feita pelo diretor-presidente da Google Brasil, Alexandre Hohagen, na reunião da CPI da Pedofilia, no Senado Federal, em Brasília. Imagens de pornografia infantil publicadas em álbuns de fotografia com acesso restrito - que provam a prática dos crimes - também serão entregues pela Google às autoridades. Hohagen classificou como 'delicada' a entrega das informações, ainda sem prazo para acontecer.  Filtro  Daqui a três meses, em 1º de julho, o Orkut passará a contar com uma ferramenta tecnológica para filtrar textos e fotos com conteúdo impróprio antes que sejam publicados, afirmou Hohagen.  Segundo o diretor, a solução resolverá o problema da veiculação de conteúdo ilícito nas comunidades temáticas do Orkut. Será ineficaz, no entanto, para impedir os abusos nos álbuns de foto individuais.

Mais conteúdo sobre:
CPI da Pedofilia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.