CPI do Apagão Aéreo do Senado vota nesta terça relatório final

Demóstenes Torres defende investigação da PF contra empreiteiras contratadas para realizar obras pela Infraero

30 Outubro 2007 | 10h23

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Apagão Aéreo do Senado será votado nesta terça-feira, 30. O relator, Demóstenes Torres (DEM-GO), pede o indiciamento de 23 pessoas, entre elas o ex-presidente da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) e deputado Carlos Wilson (PT-PE) e a ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu.   No relatório, apresentado na semana passada, o parlamentar também pede que a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) investiguem empreiteiras contratadas para realizar obras em aeroportos suspeitas de irregularidades. O senador concluiu, depois de analisar os contratos de obras em 11 aeroportos, que fraudes e irregularidades na Infraero causaram prejuízo aos cofres públicos de, no mínimo, R$ 500 milhões, numa "estimativa conservadora".   Segundo o relator, pelo menos "duas organizações criminosas" atuaram na Infraero: uma a partir de Petrolina (PE) e a outra com base operacional em Curitiba (PR). O esquema, segundo o relator, era comandado pelo deputado Carlos Wilson (PT-PE) e incluía "desvio de recursos, fraudes em licitações e uma série de outros ilícitos".   Carlos Wilson presidiu a estatal entre os anos de 2003 e 2005, quando o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério Público Federal apontaram favorecimento a grupos empresariais nos critérios para a escolha, por meio de licitação, de empresas contratadas para construir, reformar e ampliar aeroportos.   Em nota, o deputado disse ter ficado surpreso e indignado com o relatório, que classificou de "irresponsável" e "baseado em meras ilações". A votação do relatório estava marcada para semana passada, mas foi adiada por conta de um pedido de vista do senador João Pedro (PT-AM), que fez críticas ao texto.   (Com informações da Agência Brasil)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.