CPI libera mais diálogos com torre

Piloto do Airbus da TAM foi informado sobre pista escorregadia 2 minutos antes de aterrissar

Luciana Nunes Leal e Camilla Rigi, Brasília, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2010 | 00h00

Deputados da CPI do Apagão Aéreo divulgaram ontem gravação com trechos dos últimos 30 minutos de diálogos entre controladores de vôo e o piloto do Airbus A320 da TAM, Kleyber Aguiar Lima, no dia 17. Kleyber comunicou-se primeiro com Ziloá Miranda Pereira, depois com Luana Morena Maciel Araújo, ambas do centro de controle de aproximação do Aeroporto de Congonhas. Quando o piloto avistou a pista, passou a se comunicar com Celso Domingos Júnior, na torre de controle. Kleyber só foi informado da pista escorregadia 2 minutos antes do pouso.Kleyber, 14 minutos antes do pouso, perguntou a Ziloá se chovia em Congonhas. "Chuva leve e contínua, mas não foi reportada ainda pista escorregadia, OK?", respondeu Ziloá. Antes, ela relata "problemas na freqüência" e pede ao piloto que reduza ao máximo a velocidade. "No meu turno, não tinha essa informação. A torre passa tudo que muda: vento, chuva, visibilidade", disse Ziloá à CPI.Os últimos registros, às 18h46, mostram o piloto já em contato com a torre, quando recebe o informe de Domingos: "Pista molhada e escorregadia." Segundo o controlador, a informação chegou à torre a partir de relatos de pilotos.Segundo o Serviço Regional de Proteção ao Vôo de São Paulo (SRPV), o último relato de pista escorregadia feito à torre ocorreu às 17h04. O SRPV pediu a medição da lâmina d? água à Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Às 17h20 a torre voltou a operar. Mesmo sem novos relatos, controladores da torre continuaram alertando os pilotos. Quando Kleyber soube da pista escorregadia, estava a quase 4 quilômetros do aeroporto. E, segundo oficiais da Aeronáutica, ainda teria 1 minuto e meio para decidir arremeter. "O controle de aproximação não tem obrigação de informar os pilotos sobre condições da pista, somente se perguntado. Existe uma freqüência chamada ATIS que informa todas as condições relevantes dos principais aeroportos e todos os pilotos tem que ficar sintonizados nela", disse o chefe do SRPV, coronel Carlos Minelli de Sá.Na CPI, o vice-presidente de Segurança da Airbus, Yannick Malinge, reafirmou que a análise das caixas-pretas mostra que "não houve pane mecânica" no avião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.