CPI pede indiciamento de 23 servidores da Infraero e da Anac

Relatório será entregue nesta 3ª pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e aborda a corrupção na estatal

23 Outubro 2007 | 08h48

O relatório final da CPI do Apagão Aéreo do Senado, que será entregue nesta terça-feira, 23, deve pedir o indiciamento de 23 servidores na Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) e na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), como já havia adiantado o Estadão na semana passada. O relatório elaborado pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO) foi elogiado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim.   Chuva fecha Santos Dumont; Congonhas opera por instrumentos Dilma quer privatizar aeroportos Zuanazzi diz que fica e Jobim evita polêmica Especial sobre a crise aérea    Além de pedir o indiciamento de servidores da Infraero e da Anac, o relatório vai tratar da corrupção que considera que existe dentro da estatal. Jobim, que considerou as informações que recebeu do relatório "muito boas", informou que jantará com o senador para conversar sobre o texto.   Na segunda-feira, 22, Jobim lembrou que pelo menos seis funcionários da Infraero já foram demitidos, após realização de inquérito pela Controladoria Geral da União. "Nós já demitimos e vamos continuar examinando a situação dos demais", declarou. E fez uma advertência: "Agora a regra é: teve problema, rua."   Há duas semanas, a CGU determinou a demissão por justa causa de três ex-diretores e de três outros funcionários nos níveis de superintendência, gerência e procuradoria da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), além de estabelecer penas de advertência para outros quatro funcionários da empresa. Todos estavam envolvidos em irregularidades na contratação, sem licitação, da empresa FS3, para instalação de um software de gerenciamento de espaços em aeroportos.

Mais conteúdo sobre:
crise aérea CPI do Apagão Anac Infraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.