CPI quer criar agência nacional para combate à pirataria

A CPI da Câmara que investiga a pirataria vai propor a criação de um órgão nacional para coordenar o combate a falsificação e ao contrabando no País. A sugestão foi feita por empresários atingidos pelo problema e partiu do presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, Emerson Kapaz. O relator da CPI, deputado Josias Quintal (PMDB-RJ) disse que ainda falta definir se a proposta será apresentada no relatório final da CPI ou já na forma de projeto encaminhado individualmente pelos integrantes da comissão.O presidente do instituto disse que ações policiais e o trabalho da CPI têm dado bom resultado no combate a esse tipo de crime, mas a dimensão do problema requer uma ação coordenada, que integre os esforços de órgãos federais, estaduais e municipais. Segundo Kapaz, a sonegação de impostos, o contrabando e a falsificação representam R$ 160 bilhões por ano. "Isto é uma estimativa conservadora", observou.Kapaz quer apresentar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva documento preparado em outubro pelo instituto e a executiva nacional do PT, que mostra os prejuízos com a pirataria nos diferentes setores da economia como cigarros, bebidas, vestuário, CDs, autopeças, colas e isqueiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.