CPI quer inquérito sobre vazamento de dados da caixa-preta

Deputados aprovam a divulgação das conversas entre os pilotos que comandavam o Airbus da TAM

01 de agosto de 2007 | 10h24

O presidente da CPI do Apagão Aéreo, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta quarta-feira, 1º, que a comissão vai determinar a abertura de um Inquérito Policial Militar para apurar se a Aeronáutica vazou as informações sobre os dados da caixa-preta do Airbus da TAM. O deputado lamentou que a reportagem da Folha de S.Paulo dê a entender que o jornal acessou os dados a partir do Congresso. "Se houve vazamento, não foi pela Câmara. Todos os órgãos de imprensa nos procuraram e decidimos não divulgar nada."   Veja também:    Dados da caixa-preta serão analisados em sessão fechada da CPI   Caixa-preta aponta que piloto não conseguiu desacelerar Airbus   Brigadeiro diz que caixa-preta revela um 'filme de terror'  Quem são as vítimas do vôo 3054  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054   O chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) Cenipa, brigadeiro Jorge Kersul Filho, esclareceu que, para ouvir o CD, é necessário um software especial que não está disponível nem no próprio Cenipa. Segundo Kersul, o que os deputados poderão ver é a transcrição, em inglês, dos diálogos gravados na cabine do Airbus momentos antes do acidente. Por isso, segundo Kersul, os dados da caixa-preta não devem ter sido vazados pelos parlamentares.   "Se não podemos ouvir o CD, por que os dados vieram para cá?", questionou, irritado, o deputado Vic Pires Franco (DEM-PA). Kersul esclareceu que a Aeronáutica, ao enviar o CD, cumpriu o requerimento da CPI. Segundo o brigadeiro, os deputados podem ter acesso à decodificação dos dados técnicos da segunda caixa-preta do Airbus. Esses dados, segundo o chefe do Cenipa, podem ser rodados com programas convencionais de computador.   Os deputados aprovaram a divulgação, única e exclusivamente, da transcrição das conversas entre os pilotos em inglês. A deputada Solange Amaral (DEM-RJ) argumentou que não há motivos para a CPI manter secretos dados que foram vazados à imprensa.   Vazamento   No começo da sessão Cunha mostrou que o envelope entregue na terça-feira, 31, pela Aeronáutica aos deputados continuava lacrado. Segundo o presidente da CPI, as transcrições dos dados das caixas-pretas devem ser transcritas e divulgadas publicamente. Porém, alguns deputados argumentam que a abertura pública faria com que os parlamentares fossem acusados de vazamento de dados.   O relator da CPI, deputado Marco Maia (PT-RS), disse que a reiterou que a comissão não vazou as informações da caixa-preta. Segundo ele, os dados continuavam lacrados na manhã desta quarta e nenhum parlamentar teve acesso ao seu conteúdo. Maia informou que, além da Aeronáutica, podem ter tido acesso aos dados a TAM e a Airbus. Para o relator, é preciso apurar a responsabilidade pelo vazamento.   A CPI se reúne em instantes, em reunião reservada, para analisar as informações entregues pelo Comando da Aeronáutica sobre o acidente com o Airbus da TAM, ocorrido no último dia 17. A reunião ocorrerá no plenário 2.   (Com informações da Agência Câmara.)

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054CPI do Apagão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.