CPIs investigam obras da Infraero e pilhagem de vítimas da Gol

Nesta semana, parlamentares também vão ouvir comandante da Aeronáutica e o ministro da Defesa

Milton F. da Rocha Filho, da Agência Estado,

06 de agosto de 2007 | 11h47

Esta semana promete ser agitada nas CPIs que investigam o Apagão Aéreo. Além dos depoimentos agendados, parlamentares vão começar a investigar a pilhagem de documentos e jóias das vítimas do acidente da Gol, denunciada no domingo, 5, por reportagem do Estado. Senadores devem apurar as irregularidades em obras de diversos aeroportos do País, apontadas por auditorias feitas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).  Diretora da Anac pode ser chamada à CPI, diz Demóstenes CPIs investigam obras da Infraero e pilhagem de vítimas da Gol  Gaudenzi assume a presidência da Infraero "Nessa área não conheço nada", diz Gaudenzi Pereira aponta 3 fatores para acidente da TAM  Vítimas da Gol foram pilhados após acidente   Maiores desastres da aviação brasileira  Cronologia da crise aérea  Durante a semana, senadores devem ouvir o depoimento de 14 procuradores da República que virão falar, de acordo com o relator da CPI, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), sobre as auditorias feitas pelo TCU. De acordo com Demóstenes há "fortes indícios" de crimes de corrupção, improbidade administrativa e superfaturamento de preços na Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Os parlamentares também vão investigar a pilhagem de objetos das vítimas do vôo 1907 da Gol, que caiu após se chocar com o jato Legacy no dia 29 de setembro de 2006, deixando 154 pessoas mortas. Documentos importantes de alguns dos 154 mortos estão sendo usados hoje por falsários - um deles utilizou esses documentos no contrato de um empréstimo, no mês passado, em uma financeira de Brasília, para comprar um carro por R$ 20,4 mil.  Depoimentos Para esta semana estão marcados os depoimentos do comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, e do ministro da Defesa, Nelson Jobim, que depõe na quarta-feira no Senado. Além disso, o responsável pela investigação do acidente com o vôo 3054 da TAM, tenente-coronel-aviador Fernando Camargo, do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), vai depor na terça-feira.  Na terça-feira, os deputados da CPI vão ouvir Fernando Camargo, do Cenipa. Ele está à frente das investigações sobre o acidente que deixou 199 mortos no dia 17 de julho, quando o Airbus da TAM que fazia uma viagem entre Porto Alegre e São Paulo caiu após uma tentativa frustrada de pouso no Aeroporto de Congonhas. O diretor-presidente da Pantanal Linhas Aéreas, Marcos Sampaio Ferreira, vai depoir na tarde de terça. Ele foi chamado porque um avião da companhia derrapou na pista de Congonhas no dia anterior ao acidente com o Airbus da TAM.  Na quinta-feira, às 9 horas, os deputados da CPI na Câmara vão ouvir os quatro controladores de vôo que estavam na torre de Congonhas no momento do acidente da TAM: Eduardo Pires Dayrel e Ziloar Miranda Pereira, controladores da APP-SP; e Luana Morena Maciel Araujo e Celso Domingos Alves Jr., controladores da TWR-SP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.