CPTM amplia linha F de SP com recursos do BNDES

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) dá início em janeiro de 2004 ao projeto de expansão da linha F, que liga as estações do Brás e Calmon Viana. Em uma primeira etapa, haverá recapacitação dos sistemas de energia, sinalização e telecomunicação da linha, com recursos da ordem de R$ 30,34 milhões já assegurados pelo BNDES.O projeto também prevê uma outra etapa, orçada em R$ 110,9 milhões, para a qual ainda se busca o financiamento. Nela, estão incluídas a construção de três novas estações (Jardim Helena, Jardim Romano e USP Leste), vedação de 17 km de faixa patrimonial, modernização de 10 trens das séries 1.400 e 1.600, e restauro em 46 trens das séries 1.400, 1.600 e 5.500.Para esta outra fase, estão sendo feitas negociações com a Caixa Econômica Federal, que poderia financiar as intervenções na Linha F por meio do programa de securitização de receitas, ou seja, a CPTM pagaria o empréstimo com a sua arrecadação.O prazo para conclusão do projeto é 2006, desde que se assegure a verba. Além de aumentar a acessibilidade, conforto e segurança do sistema, as intervenções permitirão a redução dos intervalos de 9 para 7 minutos, nos horários de pico.No início de novembro, o Governo do Estado de São Paulo assinou um contrato de R$ 154,1 milhões, para investimentos na CPTM e Metrô. Deste montante, R$ 88,13 milhões serão investidos em melhorias para as linhas A (Brás - Francisco Morato), E (Luz - Estudantes) e F (Brás - Calmon Viana).

Agencia Estado,

11 de dezembro de 2003 | 12h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.