Cratera deixa 2 mil alunos sem aula no Paraná

Desde dezembro de 2010 buraco vem atrapalhando as atividades em duas escolas de Almirante Tamandaré

Solange Spigliatti, Central de Notícias

31 Março 2011 | 15h19

SÃO PAULO - As aulas de duas escolas de Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba (PR), foram suspensas por cerca de 15 dias, como medida de segurança por conta de uma cratera que pode colocar em risco a segurança de alunos, professores e funcionários.

Segundo a Agência de Notícias, a Secretaria de Estado da Educação suspendeu temporariamente as aulas no Colégio Estadual Jaci Real Prado de Oliveira e em parte do Colégio Estadual Ambrósio Bini, que funciona no mesmo terreno.

O superintendente de Desenvolvimento Educacional da secretaria, Jaime Sunye Neto, explicou que a medida foi tomada após geólogos da Universidade Federal do Paraná emitirem laudo técnico indicando que o local está impróprio para abrigar construções civis.

Uma cratera no solo da escola apareceu em 23 de dezembro de 2010 e desde então a secretaria vem tomando medidas diárias de monitoramento. As aulas foram iniciadas neste ano letivo com base em pareceres técnicos de engenheiros feitos no prédio da escola. Posteriormente, uma conclusão preliminar apontou a necessidade de interdição da área até que um estudo completo seja concluído.

Mais conteúdo sobre:
cratera aulas suspensão escolas Paraná

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.