Cresce acampamento onde caiu avião com dinheiro na BA

O acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), localizado no distrito de Maracangalha, município de São Sebastião do Passé (BA), a cerca de 300 metros de onde caiu, na quarta-feira, 14, o bimotor da Bahia Táxi Aéreo (Bata) que transportava R$ 5,56 milhões de instituições financeiras, voltou a crescer, depois de alguns dias de fuga dos integrantes.Os motivos, de acordo com um dos coordenadores do acampamento, Marcelo Amorim, são a volta de pessoas que haviam deixado o local por medo dos policiais - que, de acordo com ele, estavam invadindo os barracos e agredindo os habitantes, supostamente para investigar o destino do dinheiro que estava no avião e foi saqueado - e a chegada de moradores das comunidades vizinhas, que estão sofrendo assaltos de pessoas que se dizem policiais. "Eles invadem as casas, armados, perguntam onde está o dinheiro, reviram os móveis e levam até eletrodomésticos", conta Amorim. "Eles ficaram com tanto medo que abandonaram suas casas e vieram pedir abrigo aqui, onde acham que estão mais seguros". Segundo o coordenador, os acampados no local, que no fim da semana passada chegaram a apenas 40, já passam de 150. "Estamos fazendo turnos de vigilância de quatro horas, para tentar proteger os barracos e os moradores."Falsos policiaisA delegada Maria da Salete Campos Amaral, da Delegacia de São Sebastião do Passé, confirma a denúncia de que falsos policiais estão aproveitando para assaltar a população e afirma que está apurando o caso. "Passamos o domingo inteiro em diligências, investigando esses assaltos", conta. "Estamos contando, também, com o apoio de agentes do Departamento de Polícia do Interior (Depin), para a elucidação do caso."Ela afirma, porém, que, apesar de as equipes policiais já somarem cerca de 200 pessoas na cidade, ainda não foram efetuadas prisões de assaltantes. De acordo com ela, as pessoas que foram flagradas com dinheiro do avião estão sendo indiciadas por furto. Até o fim da tarde desta segunda-feira, cerca de R$ 540 mil haviam sido recuperados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.