Cresce o número de usuários de drogas, diz secretário

O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, Josias Quintal, disse hoje que não tem havido redução significativa na entrada de drogas e armas no Estado e que o número de consumidores de tóxicos vem crescendo. "Nós ficamos enxugando o gelo aqui, tratando o problema na ponta, administrando as falhas de todos os outros setores", afirmou, depois da abertura da 1ª Conferência Executiva de Segurança Pública, no Rio. Quintal também responsabilizou a política econômica pelo avanço da criminalidade. "Não imagine que a polícia vai resolver todo o problema da sociedade. Tenho falado sempre da quantidade de pessoas, de jovens, que estão aí sem perspectiva de trabalho, do fracasso da condução dessa política econômica e financeira do país que não gera oportunidades de trabalho", disse Quintal. Hoje, no Rio, treze pessoas, supostamente envolvidas com o tráfico de drogas, foram assassinadas, no subúrbio da Penha, ao que tudo indica, numa disputa de gangues, informou o secretário.Segundo Quintal, as drogas são a raiz "de todos os males" e não tem havido nenhuma ação significativa no âmbito nacional para a prisão de traficantes de drogas. O secretário disse também que cabe à polícia identificar os mortos, os assassinos e prender os criminosos, o que, segundo o representante do governo, já está sendo feito no caso da chacina da Penha.Durante discurso na abertura da conferência, o governador Anthony Garotinho chegou a citar que a polícia fluminense prende cerca de três mil pessoas por mês, 70% delas envolvidas com as drogas, "cujo combate constitucionalmente compete ao governo federal". "É preciso que haja um planejamento nacional de segurança pública efetivo, como agora o governo federal vem propondo, um plano que seja capaz de controlar a entrada de armas e drogas, para que então as polícias estaduais possam cumprir o seu papel", discursou o governador, que se recusou a falar com a imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.