Cresce o número de vôos atrasados e cancelados no País

Total já representa quase 80% do 1.411 vôos programados para este sábado

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 10h04

A situação nos aeroportos do País continua complicada no início da noite deste sábado, 30. De acordo com o último boletim divulgado pela Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), da zero hora até às 19h30, 639 dos 1.411 vôos programados apresentavam atrasos superiores a uma hora, o que representa 45,2% do total. Neste período, foram cancelados 178 vôos (12,6%). O Aeroporto de Florianópolis continuava com o maior porcentual de atrasos: 75% do total de vôos. Dos 28 vôos programados, 21 estavam fora de horário e três foram cancelados. O Aeroporto Internacional de Brasília registrou atrasos em 57 dos 88 vôos programados. O número representa 64,7% do total. No Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, a situação também era bem difícil: 60,3% do total de vôos apresentavam atrasos de mais de uma hora. São Paulo Aeroporto de Congonhas, na capital paulista, que chegou a fechar, para pousos e decolagens, na noite de sexta-feira, Já em São Paulo, no aeroporto de Congonhas, zona sul da capital, 89 (42,5%) dos 209 programados estavam fora de horário, e 39 foram cancelados. Na noite de sexta-feira, o terminal teve que ser fechado para pousos e decolagens por causa da neblina. De acordo com a Aeronáutica, este foi o motivo da maioria dos atrasos em todo o país. No Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, os atrasos atingiram 31,2% do total de vôos. O Aeroporto de Porto Alegre registrou atrasos em 30 dos 52 vôos programados até às 19h30, o que representa 57,6% do total. Parte dos atrasos foram causados por um nevoeiro que impediu o funcionamento do aeroporto Salgado Filho, na capital gaúcha. A partir das 12 horas, com a dissipação da neblina, o fluxo de pousos e decolagens entrou em um ritmo acelerado, o que possibilitou, aos poucos, a normalização no tráfego aéreo no Rio Grande do Sul. Os aeroportos de Recife e Salvador também continuaram com altos índices de atrasos neste período: 56,1% e 54,6%, respectivamente. A Aeronáutica informou em nota que os atrasos registrados neste sábado foram conseqüência dos problemas meteorológicos verificados desde a sexta-feira, 29, nas Regiões Sul e Sudeste, com efeitos em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, e garantiu que o sistema de controle de vôo trabalhou normalmente. Mais cedo, a assessoria de imprensa da Aeronáutica negou a informação veiculada pela TV Globo de que houve pane em radar do Aeroporto de Cumbica. Segundo nota divulgada à imprensa, um problema no programa de gerenciamento de planos de vôo fez com que o sistema precisasse ser reinicializado por volta das 11 horas, ampliando o espaçamento entre os pousos e decolagens, que chegou a dez minutos. Confusão em Viracopos Pelo menos 500 passageiros que tiveram seus vôos transferidos dos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, em São Paulo, para o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, entre sexta e sábado, passaram a madrugada no aeroporto do interior do Estado. Irritado com a falta de informações, um grupo de passageiros da Gol Linhas Aéreas chegou a cruzar o limite do balcão do check-in para tentar conversar com os funcionários da companhia aérea. O clima em Viracopos permaneceu tenso desde a noite de sexta até a tarde deste sábado. Foram transferidos vôos das companhias Varig, Gol, TAM, Ocean Air, Pantanal, BRA e Taca Peru. Até o meio-dia, 11 vôos tinham deixado Viracopos rumo a seus destinos. Outros 22 ainda permaneciam no aeroporto, aguardando a reacomodação dos passageiros e reorganização dos vôos e liberação da Aeronáutica, com vistas à segurança do tráfego aéreo. Texto ampliado às 21h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.