Criação de 31 cargos no TCM passa em 1ª votação

As denúncias contra o vereador Ushitaro Kamia (DEM) não foram obstáculo para a Câmara Municipal votar ontem outra proposta polêmica: a criação de mais 31 cargos no Tribunal de Contas do Município, com a possibilidade de acúmulo de vencimentos acima do salário do prefeito, de R$ 9 mil. Como antecipou a reportagem em 19 de fevereiro, os cargos têm remuneração entre R$ 3,4 mil e R$ 7,2 mil, o que representa aumento de R$ 200 mil mensais, ou R$ 2,3 milhões por ano. Os cargos ainda podem incorporar ao salário bruto até R$ 6 mil em gratificações. A proposta também amplia o pagamento de gratificação de R$ 997 mensais.O projeto foi aprovado em 1º votação de forma simbólica e reproduz no TCM a mesma reforma feita no Legislativo em maio de 2007, por meio de um projeto que ficou conhecido como "trem da alegria". Apesar disso, houve vereadores contrários ao polêmico texto. O presidente do TCM, Roberto Braguim, teria procurado vereadores e governo para garantir a aprovação. Antes, o projeto foi elaborado pela Câmara, mas acabou barrado no Supremo Tribunal Federal (STF) por inconstitucionalidade. O Legislativo, então, elaborou novo projeto, votado ontem em primeiro turno.Outra polêmica do dia nas duas sessões realizadas ontem na Câmara: um dono de pet shop fiscalizado por comissão da Casa contra maus-tratos animais e por órgãos da Prefeitura e de veterinária representou contra Roberto Tripoli (PV) na corregedoria, acusando-o de "abuso de autoridade". "É absurdo, só comuniquei que o local seria fiscalizado", rebateu o vereador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.