Criança é baleada na cabeça em perseguição policial no Paraná

Daniela Aparecida da Silva está internada no Hospital Infantil em estado grave; seu tio é considerado suspeito

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

17 de março de 2008 | 17h21

A Polícia Civil e a Polícia Militar de Londrina, no norte do Paraná, investigam as circunstâncias em que uma menina de 11 anos foi baleada na cabeça, na tarde de domingo, 16, durante uma ação policial na região rural da cidade. Daniela Aparecida da Silva está internada no Hospital Infantil em estado grave e, nesta segunda-feira, 17, foi submetida a uma cirurgia. Os policiais afirmam que foram surpreendidos por tiros quando investigavam uma suspeita de roubo de veículo. Os quatro policiais que participaram da ação foram afastados por orientação médica. As armas foram apreendidas e a perícia analisa se o tiro que atingiu a menina teria saído de uma delas. De acordo com o porta-voz do 5º Batalhão da PM, tenente Ricardo Eguedis, os policiais circulavam pelo local e viram um Vectra que correspondia à descrição de um veículo roubado horas antes. Dois policiais ficaram no carro e outros dois desceram por uma estrada para fazer uma busca. Eles teriam visto um homem a cerca de 300 metros. "Segundo disseram, de repente ele sacou uma arma e passou a atirar e os dois responderam", disse Eguedis. O homem teria corrido e desaparecido. Eles continuaram a andar pela estrada e viram a casa onde mora a menina, distante cerca de 800 metros. "De trás da casa apareceram três homens e dispararam, mas os policiais disseram que não responderam", afirmou o tenente. Segundo os policiais, quando iam correr para perseguir os homens, uma mulher saiu gritando e falando do ferimento na criança. Eles passaram, então, a socorrê-la. No meio da confusão que se formou, o pai da menina, Claudemir Aparecido da Silva, de 42 anos, chegou a ser detido pela polícia. Ele estava trabalhando na lavoura quando foi avisado do que tinha acontecido. Ao chegar em sua casa foi algemado e liberado somente quando a mãe da criança garantiu que era seu marido. Oito equipes de policiais foram chamadas para ajudar nas buscas, mas, segundo o porta-voz, encontraram apenas um revólver calibre 38. O Vectra pertence a um tio da menina ferida, considerado suspeito pela polícia.

Tudo o que sabemos sobre:
perseguição policialParaná

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.