Criança é resgatada de buraco de sete metros

Com apenas 4 anos, o pequeno Wellington viveu duas longas horas de medo e tensão. Ele caiu em um buraco apertado, com 7 metros de profundidade, e ficou entalado. Ninguém viu Wellington cair no buraco da construção localizada na frente de sua casa. O pai, José Domingos de Jesus Santos, de 36 anos, só sabe dizer que sentiu a falta do filho meia hora depois de chegar em casa para o almoço.?Cheguei e fui direto tomar banho. Só no fim do almoço me dei conta de que ainda não tinha visto ele. Quando saí no portão ouvi a voz dele longe, gritando: ?Pai, me tira daqui?. Corri e vi ele lá dentro.? O pedreiro foi para casa e pegou uma corda, comprada dias antes para fazer um balanço. Jogou para o filho, mas Wellington não conseguia levantar os braços porque estava entalado. A mãe, Cláudia Barbosa Macedo, desmaiou quando viu o filho.Uma vizinha ligou para os bombeiros e ouviu a orientação: nada deveria ser feito antes de os policiais chegarem. Foram 15 minutos de espera. Aos poucos, chegaram os 25 policiais que participaram da operação. A opção escolhida foi escavar um buraco paralelo para resgatar a criança. Tudo parou por risco de desabamento. O capitão Wagner Bertolini afirmou que fez dois anéis nas pontas da corda e orientou Wellington a colocá-los nos braços. ?Ele foi muito esperto. Quando sentimos que estava seguro, puxamos?, disse. Wellington foi levado para o Hospital de Taipas. Ele só sofreu escoriações.Ao sair da sala de recuperação, acenou e mandou beijos. Os olhos estavam inchados. ?Ele chorou muito dentro do buraco. Chamava a mãe e pedia a chupeta?, contou Bertolini. Os olhos do pai também estavam vermelhos. ?Esta é a segunda vez que Deus me dá o Wellington. Tudo o que eu pedia é que saísse com vida. E aqui está ele, inteiro.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.