Criança morre ao ser usada como escudo em tiroteio

A polícia do Distrito Federal passou o dia de hoje procurando o assassino do menor Pedro Igor Ferreira Lima, de sete anos, que morreu com um tiro no rosto ao ser usado como escudo na tarde de segunda-feira no Recanto das Emas, cidade-satélite de Brasília. O acusado, Francisco Pereira da Silva, de 26 anos, pretendia atingir o menor L.J.N, de 16 anos, em um bar. Por volta das 14 horas da segunda-feira, Pedro Igor ganhou R$ 1 de um amigo e foi comprar um salgadinho no bar, distante duas casas ao lado da sua. Ao entrar, L.J.N. estava no balcão. Logo em seguida, Silva chegou em uma bicicleta, sacou o revólver calibre 38 e disparou contra o adolescente, que pegou o pequeno Pedro Igor e colocou-o na sua frente na tentativa de se proteger. O menino foi atingido com um tiro no rosto e teve morte imediata. O ?escudo humano? não impediu que as balas também atingissem o adolescente no peito. L.J.N. foi levado em estado grave para o Hospital de Base do Distrito Federal, e no final da tarde apresentava um quadro estável. Segundo a delegada-adjunta da 27ª Delegacia de Polícia, no Recanto das Emas, Mônica Ferreira, "foi um acerto de contas". Francisco será enquadrado pelo assassinato da criança e tentativa de homicídio contra o adolescente. Poderá pegar até 30 anos de prisão. Mônica disse ainda que, "por enquanto", o menor L.J.N. não poderá ser indiciado como criminoso pois, mesmo tendo usado Pedro Igor como escudo, estava "em estado de necessidade", tentando se proteger. Quando soube que o filho havia ido ao bar, a mãe de Pedro Igor, Luciene Ferreira Lima, correu para procurá-lo. Vendedora e mãe de mais quatro crianças, viu os tiros serem disparados na direção do filho. Francisco ainda está foragido. A delegada disse que "os moradores poderiam ter ajudado a polícia. Algumas pessoas viram para onde Francisco fugiu e a essa hora ele poderia estar preso", disse ela. "Estamos fazendo o possível para encontrá-lo, mas os moradores têm medo de ajudar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.