Criança morre durante ação da PM em Recife

Assaltante de 14 anos nega que tenha atirado durante tentativa de assalto; menina de nove anos é atingida

Ricardo Valota, estadao.com.br

19 de julho de 2008 | 11h59

Uma criança morreu e outras três pessoas da mesma família ficaram feridas, no final da noite de sexta-feira, 18, numa tentativa de assalto a um carro na Cidade Universitária, zona sul da capital pernambucana.   Um adolescente, de 14 anos, armado com um revólver calibre 38, com cinco balas deflagradas e uma intacta, negou que tenha atirado contra as vítimas. Baleado, o menor foi detido por policiais militares, que foram acionados por um vigia de uma loja, testemunha do assalto. Três bandidos, entre eles uma mulher e outro adolescente, seguem foragidos.   A família, sendo cinco crianças e dois adultos, saía de uma festa no Espaço Querubins, na Rua Professor Chaves Batista, por volta das 23h, quando o Pálio em que todos estavam foi fechado por um Vectra preto ocupado pelos bandidos, que exigiram dinheiro, telefones celulares e jóias.   Testemunhas disseram à polícia que o casal já havia entregue pertences aos assaltantes quando a PM chegou e começou a atirar no veículo das vítimas. O engenheiro Márcio Malveira de Barros, 35 anos, levou um tiro de raspão na cabeça, foi atendido no Hospital da Restauração (HR) e recebeu alta. A mulher dele, a advogada Ana Virgínia Barros, 32 anos, não se feriu.   Dois dos filhos do casal, Marcelo e Amanda, nada sofreram. O terceiro filho, Caio Malveira de Albuquerque, 6 anos, foi atingido com um tiro de raspão na costela e segue internado no hospital Santa Joana. A irmã de Ana Virgínia, Bruna Vitória Ramos de Barros, 11 anos, levou um tiro no rosto, foi socorrida no HR e já recebeu alta.   A outra irmã, Maria Eduarda Ramos de Barros, 9 anos, que foi baleada no tórax, não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. As duas crianças que escaparam sem ferimentos disseram que a mãe gritou para alertar os policiais. Márcio de Barros falou também que o adolescente de 14 anos se escondeu dentro do carro da família, mas não teria atirado contra os policiais.   A família é Carpina, Zona da Mata de Pernambuco, onde ocorrerá o enterro. O velório será realizado no Colégio Salesiano, também em Carpina. A Secretaria de Defesa Social (SDS) abrirá sindicância para apurar o caso e não divulgou os nomes dos policiais envolvidos na ação. Eles prestaram depoimento no novo prédio do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPPE). O caso será investigado pela delegada Genezil Coelho.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaPernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.