Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Criança vítima de acidente no Rio continua em estado grave

Outras quatro morreram no local, após van escolar bater em um guincho da prefeitura na Linha Vermelha

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

02 Julho 2009 | 11h54

Uma das seis crianças feridas no acidente ocorrido na tarde desta quarta-feira, 1, na Linha Vermelha, no Rio, continua em estado grave, segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde. Outras quatro crianças morreram no local.

 

O menino, de 8 anos, permanece internado no Hospital Miguel Couto, no Leblon. Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde, ele teve politraumatismo, respira com a ajuda de aparelhos e foi submetido a uma cirurgia no fêmur direito. O menino também apresenta trauma no crânio, mas de acordo com a secretaria no momento não é necessária intervenção cirúrgica.

 

Outras três crianças foram levadas para o Hospital de Saracuruna, na Baixada Fluminense. Uma menina de 7 anos está no Hospital Santa Teresa, em Petrópolis, com quadro estável e trauma no crânio, mas não há a necessidade de operação. Um garoto de 10 anos, com quadro de saúde estável, continua internado. Outra menina teve melhora no quadro clínico e permanece em observação na emergência pediátrica.

 

Duas crianças foram encaminhadas para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, e já tiveram alta. A van escolar bateu num reboque que estava parado na faixa da direita, na pista sentido Baixada Fluminense da Linha Vermelha. Com a colisão, o veículo capotou e ficou destruído.

 

O acidente

 

O choque ocorreu por volta das 14 horas, enquanto um guincho da prefeitura auxiliava um veículo quebrado no acostamento, próximo à sede da Infraero, na Ilha do Governador. 

 

De acordo com a delegada Leila Goular, da 37.ª Delegacia de Polícia, na Ilha do Governador, a van escolar não tinha autorização para levar alunos - não tinha a placa específica, nem a faixa amarela que identifica esse tipo de transporte, ou as portas nas duas laterais, como exige a legislação. Além disso, era emplacado em Cabo Frio, na Região dos Lagos. "Ao que tudo indica, o motorista estava desatento, não viu o reboque parado. Não há nenhuma marca de frenagem no asfalto", disse.

 

O motorista está com quadro de saúde estável e será indiciado por exercício ilegal da profissão, homicídio culposo (sem intenção) e lesão corporal culposa. Ele pode responder em liberdade, se pagar a fiança, ainda não fixada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.