Crianças voltam às aulas em Mariana após 11 dias da tragédia

Retorno devolveu alguns sorrisos e proporcionou reencontros na Escola Municipal Dom Luciano

Fádia Calandrini, Especial para O Estado

16 Novembro 2015 | 23h32

A segunda-feira das crianças de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo foi de recomeço. A volta do ano letivo devolveu alguns sorrisos e proporcionou reencontros na Escola Municipal Dom Luciano, localizada no bairro Rosário, em Mariana, Minas Gerais.

A comunidade do distrito de Bento, o primeiro atingido pela lama de rejeitos, insiste na união de moradores, e com o destino das crianças não poderia ser diferente. Ao todo, 43 profissionais incluindo professores, serventes, merendeiros e funcionários administrativos da Escola Municipal de Bento Rodrigues também foram transferidos para o espaço, para garantir que os laços entre moradores não se desfaçam.

O prefeito de Mariana, Duarte Eustáquio Júnior, acompanhou a chegada dos alunos e demonstrou gratidão pelos funcionários da escola que insistiram na volta às aulas o mais rápido possível.

Apesar da alegria do reencontro, para a professora Cláudia Novais, rever os alunos que ela ajudou a retirar da escola no momento em que Bento Rodrigues foi tomado por lama é muito triste. "Eu acho que é um momento muito difícil. Encontrar todo mundo é viver tudo outra vez. Você perde tudo em cinco minutos, ganha tudo em cinco minutos, sobrevive em cinco minutos", afirma.  

Mesmo com as lembranças, acredita que terminar o ano letivo é importante: "Eu acho que é uma coisa muito simbólica. Terminar esse ano, superar essa tragédia toda, tentar colocar a vida num curso normal", concluiu.

O ministro do Desenvolvimento Agrário Patrus Ananias visitou a região nesta manhã e aproveitou para ver a chegada dos alunos em uma nova fase. Além de anunciar medidas do Ministério de apoio à região atingida, comentou a necessidade de cobrar a responsabilidade das empresas envolvidas na tragédia. 

"O nosso desejo é que as consequências dessa tragédia sejam reparadas junto às pessoas, famílias e comunidades com ações vigorosas que envolvam também a responsabilidade das empresas num curto, médio e longo prazo.", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.