Weimer Carvalho/Efe
Weimer Carvalho/Efe

Crime 'bárbaro' de Goiânia é destaque na imprensa britânica

'The Guardian' destaca o histórico de violência e o uso de drogas de Mohammed, condenado a 21 anos de prisão

BBC Brasil, BBC

15 de maio de 2009 | 05h33

O julgamento de Mohammed D'Ali Carvalho dos Santos, condenado a 21 anos de prisão pelo assassinato da britânica Cara Marie Burke em Goiânia, no ano passado, foi destaque na imprensa britânica nesta sexta-feira, 15. No ano passado, o jovem assassinou a ex-namorada a facadas e esquartejou o corpo, que jogou em dois rios de Goiânia, num crime descrito como "bárbaro" pela promotoria.

 

O diário britânico The Guardian destaca o histórico de violência e uso de drogas do réu, e a morte de seu pai, quando ele tinha apenas dois anos de idade.

 

O pai do jovem, que era policial, foi morto de forma violenta e o corpo dele encontrado sem as pernas, os olhos e os órgãos genitais.  

  

Veja também:

linkDefesa alega que Mohammed tem transtorno psicológico

linkIrmão de jovem acusado de matar inglesa confirma ameaças

linkNamorada descreve Mohammed como 'calmo' e 'estranho'

linkJurados de caso de morte de inglesa já foram escolhidos

linkAcusado de matar inglesa é julgado em Goiânia 

O Guardian ainda destaca uma entrevista dada por Mohammed D'Ali Carvalho dos Santos ao jornal pouco depois de ter cometido o assassinato, em que ele dizia não se lembrar de ter cometido o crime, mas admitiu ter "lembranças de tê-la cortado".

"Ele atribuiu suas ações ao vício de drogas que, segundo ele, foi adquirido quando ele morava em Londres com sua mãe. Ele disse que começou a usar crack em festas ilegais em Londres, em 2007", diz o Guardian.

O julgamento também foi notícia no diário britânico The Times, que destaca as fotografias do corpo da vítima tiradas pelo réu. "Santos falou sem emoção em resposta às perguntas do promotor, rindo quando o juiz pediu que ele descrevesse em inglês a conversa que teve com Burke pouco antes de assassiná-la", diz o jornal.

Vários jornais destacaram também o argumento usado pela promotoria de que o crime teria sido motivado pela recusa da vítima em se casar com o réu, que queria obter um visto para poder viver na Grã-Bretanha.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.