Crime no Sumaré é mais um em série de atentados

O crime em Sumaré parece ser mais um capítulo de uma série de atentados que vêm sendo cometidos contra o governo do Estado, o Poder Judiciário e a Polícia Militar. Na maior parte dos casos, a autoria foi atribuída ao Primeiro Comando da Capital (PCC).Também na região de Sumaré, no município de Hortolândia, há uma semana, dois carros aproximaram-se do 19º Batalhão da Polícia Militar e atiraram uma bomba no local. Além disso, dispararam rajadas de metralhadora várias vezes contra o prédio da companhia. Ninguém ficou ferido.Dois dias depois, policiais receberam telefonemas ameaçadores, dizendo que PMs seriam mortos pelo PCC. A onda de atentados começou na Secretaria da Administração Penitenciária. Em fevereiro, foram três em cinco dias.No primeiro deles, no dia 14, cinco funcionários ficaram feridos pela explosão de uma granada. Embora um recado deixado em um lençol atribuísse o crime ao PCC, integrantes negaram a autoria do atentado. Os acusados, presos pela polícia, também negaram qualquer ligação com o ?partido?.Nos outros atentados, outras duas pessoas ficaram feridas. Alguns dias depois, no Fórum de São Vicente, quatro homens, fortemente armados, com metralhadoras e pistolas, chegaram ao local atirando. No momento da invasão, 13 detentos estavam no prédio prestando depoimento, e 15 policiais faziam a escolta.Os tiros provocaram a morte do advogado Antonio José da Silva, de 35 anos, e ferimentos no vigia José Aílton Bezerra de Lima, de 39. Um cartaz encontrado na região indicava, novamente, a participação do PCC.Há pouco mais de uma semana, o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi chamado ao fórum criminal da Barra Funda para desarmar um explosivo encontrado num carro. Os investigadores negaram que o PCC tivesse deixado qualquer indício sobre a autoria, mas não descartaram a hipótese de participação de membros da facção.No mesmo dia, ameaças de ações violentas do PCC, feitas por meio de telefonemas anônimos, também puseram em alerta a polícia de Sorocaba. O juiz diretor do fórum local, José Eduardo Marcondes Machado, pediu à PM que protegesse o prédio.A segurança também foi reforçada nos dois presídios e no Centro de Detenção Provisória da cidade. Na semana passada, o Fórum de Vicente de Carvalho, no Guarujá, foi atacado a tiros por dois homens. Três balas atingiram o prédio, e duas, o carro de um dos juízes. Um homem preso como suspeito carregava uma faixa com a sigla do PCC. Uma outra faixa também foi deixada perto dali, com a mesma inscrição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.