Crime organizado abastece camelôs de São Paulo

Um em cada dois produtos vendidos pelos ambulantes do centro de São Paulo vem de contrabando, pirataria ou roubo de cargas. Pelo menos 40 depósitos instalados na cidade - todos sob investigação - são responsáveis pela distribuição aos camelôs dessas mercadorias que chegam, em sua maioria, do Paraguai, via fronteira, de portos e mesmo de outros Estados. Toda a organização seria controlada por, no máximo, 15 pessoas.A constatação foi feita pelos integrantes da Força-Tarefa Permanente e Integrada, criada pela Prefeitura em maio de 2002, com o objetivo de combater o comércio de mercadorias ilegais. "Cinqüenta por cento dos produtos vendidos pelos camelôs têm origem duvidosa", diz o secretário municipal da Segurança Urbana, Benedito Domingos Mariano, coordenador da força-tarefa. "Esse levantamento teve como base as apreensões feitas pelas subprefeituras."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.