André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Crime organizado é uma metástase que se espalha pelo País', diz Temer ao assinar decreto

'Nós, que já resgatamos o progresso no nosso País, agora vamos restabelecer a ordem', disse o presidente ao assinar decreto de intervenção no Rio

Eduardo Rodrigues e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2018 | 17h21

BRASÍLIA - Com discurso em tom de declaração de guerra ao crime organizado, o presidente Michel Temer assinou, no início da tarde desta sexta-feira, 16, o decreto para a intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. O governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também participaram da cerimônia.

+ Acompanhe ao vivo as repercussões sobre a intervenção federal no Rio

"O crime organizado quase tomou conta do Rio de Janeiro. É uma metástase que se espalha pelo País e ameaça a tranquilidade do nosso povo. Por isso, decretamos neste momento a intervenção federal na área da segurança pública do Rio", disse Temer.

+ 'Intervenção no Rio é para desviar atenção da Previdência', diz líder do PSB

Segundo ele, essa medida “extrema” está sendo tomada porque as circunstâncias a exigem. "O governo dará respostas duras e firmes e adotará todas as providências necessárias para enfrentar e derrotar o crime organizado e as quadrilhas", completou.

'Há muita mídia', diz interventor que vai comandar segurança do Rio

Temer afirmou que não se pode tolerar a morte de inocentes, citando pais, trabalhadores, policiais, jovens e crianças, além do cenário com bairros sitiados, escolas sob a mira de fuzis e avenidas transformadas em trincheiras. "Chega, basta. Não vamos aceitar que matem nosso presente e nem que continuem a assassinar nosso futuro."

Decreto de intervenção é protocolado e PEC da Previdência sai da pauta

O presidente destacou que a intervenção foi decidida em acordo com o governador Pezão. Segundo Temer, a polícia e as Forças Armadas enfrentarão unidas nas ruas e nas comunidades “aqueles que sequestram do povo as nossas cidades”. Ele ainda disse contar com o apoio e a vigilância dos “homens e mulheres de bem”.

+ Crise põe ministro da Justiça na berlinda

“Nossos presídios não serão mais escritórios de bandidos e nem nossas praças serão salões de festa do crime organizado. Nossas pistas não deverão ser nunca via de transporte de drogas ou roubo de cargas. A desordem é a pior das guerras. Começamos uma batalha na qual nosso único caminho pode ser o sucesso”, declarou.

Temer disse que Maia e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), darão continuidade à tramitação da Reforma da Previdência. “Quando ela estiver para ser votada - segundo a avaliação do Legislativo -, farei cessar a intervenção. O trabalho de segurança federal no Rio será mantido sem alteração durante esse período”, afirmou.

O presidente afirmou que a Constituição autoriza a intervenção para manter a ordem pública e enfatizou que a medida tem vigência imediata. O decreto será enviado ainda hoje ao Congresso.

“Nós, que já resgatamos o progresso no nosso País e retiramos o Brasil da maior recessão da história, agora vamos restabelecer a ordem. Sei tratar-se de uma medida extrema, mas muitas vezes o País está a demandar medidas extremas para por ordem às coisas”, concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.