Criminalista impõe condições para defender Belo

O cantor Marcelo Pires Vieira, o Belo, que está com prisão preventiva decretada sob acusação de colaboração com o tráfico de drogas, procurou o criminalista Michel Assef, que já foi advogado do bicheiro Castor de Andrade, para fazer sua defesa. Assef disse que aceita a causa, entre outras condições, se o cantor, que está foragido, se entregar à polícia ainda neste fim de semana. O titular da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas (Draco), Ricardo Hallack, afirmou que já tem pistas sobre o paradeiro do cantor e que espera prendê-lo "em breve".O advogado Michel Assef disse que a conversa com o pagodeiro aconteceu na sexta-feira, quando Belo lhe telefonou. "Ele não me respondeu ainda se aceita as minhas condições", afirmou Assef. Ele afirmou não saber onde Belo está e não quis informar que outras exigências fez porque, segundo o advogado, "são rigorosamente sigilosas, de caráter pessoal do relacionamento advogado-cliente".O cantor está com prisão preventiva decretada pela Justiça desde a noite de quarta-feira e a polícia do Rio, que está de plantão em frente à sua casa no bairro do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste, pediu a ajuda da Polícia Federal e das polícias estaduais para procurá-lo em todo o Brasil. Ontem, policiais fizeram incursões em São Gonçalo, Grande Rio, por causa de uma denúncia anônima indicando o possível esconderijo de Belo, mas não o encontraram. Também fizeram um operação, sem sucesso, na favela do Jacarezinho, em busca do traficante Valdir Ferreira, o Vado.As acusações contra Belo decorrem de uma conversa gravada pela polícia entre o cantor e o traficante Valdir Ferreira. Belo negociava com Vado a compra de drogas e armas. Na sexta-feira, a advogada do cantor, Jociane Louvera, já dissera que Belo tinha a intenção de se entregar, mas depois de superar a depressão profunda em que, de acordo com ela, entrou com a acusação e a decretação da prisão preventiva. Segundo ela, o cantor estaria em São Paulo. Belo está sendo investigado com mais 20 pessoas por associação com o tráfico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.