Divulgação
Divulgação

Criminosos incendeiam 6 ônibus no Maranhão durante a madrugada

7 pessoas foram presas; governo considerou ataques reação à política contra facções e colocou todo o efetivo policial nas ruas

Diego Emir, Especial para o Estado

20 Maio 2016 | 08h15

SÃO LUÍS - Seis ônibus sofreram ataques na madrugada desta sexta-feira, 20, na Grande Ilha, região metropolitana da capital maranhense. Dos atentados praticados por facções criminosas, três terminaram com os coletivos completamente incendiados. Até o momento, não houve notificação de vítimas. Em resposta, a Polícia Militar do Maranhão prendeu sete pessoas, sendo quatro homens, duas mulheres e um adolescente, que se encontravam com grande quantidade de combustível.

Os ataques aconteceram nos quatro municípios que fazem parte da Grande Ilha: em São Luís, nos bairros Jardim Tropical e Liberdade; em Paço do Lumiar, na região do Maiobão e na Vila Marly Abdalla; em São José de Ribamar, no bairro Cidade Verde; e outro no ponto final de ônibus na cidade balneária de Raposa.

Em nota, o governo do Maranhão informou que os ataques foram reações à política de enfrentamento às facções criminosas, a qual "tem resultado em sucessivas apreensões de grande quantidade de armas e drogas, além da recuperação de sua autoridade sobre o sistema penitenciário".

O governo também declarou que "os bandidos que determinaram e executaram tais ações já foram localizados e sofrerão as penas previstas em lei".

De acordo com o secretário estadual de Segurança, Jefferson Portela, equipes especiais das Polícias Militar e Civil, além do Grupo Tático Aéreo (GTA) e o Serviço de Inteligência, estão em ação para tentar conter novos ataques em São Luís. "Nós já acionamos todas as polícias e isso inclui o pessoal da Civil e Militar, e mais o GTA e o Serviço de Inteligência para fazer a segurança", informou.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), reuniu a cúpula da Segurança estadual no Palácio dos Leões por volta das 2 horas e ordenou todo o efetivo policial nas ruas para "garantir a paz" e a elucidação o mais rápido do possível dos ataques praticados, e os seus responsáveis.

Histórico. A última onda de ataques a ônibus em São Luís foi em 2014. No mês de janeiro daquele ano, facções criminosas incendiaram quatro coletivos, o que resultou na morte de uma criança de 6 anos e deixou outros quatro feridos com queimaduras. Na oportunidade, a Secretaria Estadual de Segurança relatou que as ações foram orientadas e comandas de dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Já em outubro, outros dois veículos do sistema de transporte público foram incendiados, sem vítimas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.