Criminosos jogam criança para fora do carro no Rio

Bandidos assaltaram uma família na madrugada deste domingo, 11, em Irajá, na zona norte do Rio de Janeiro, e jogaram para fora do carro uma criança de sete anos que dormia no banco de trás. O garoto, identificado como Tiago, passa bem apesar do trauma.O caso lembrou a morte do menino João Hélio, 7 anos, que chocou o País há cerca de um mês. Na ocasião, o carro da mãe do menino foi roubado e o garoto ficou preso ao cinto de segurança, sendo arrastado por mais de sete quilômetros.Segundo a polícia, cinco bandidos que participaram de uma troca de tiros com PMs em Irajá roubaram, na fuga, um Fiat Palio que passava pelo local. No carro estavam um casal e o menino Tiago, que dormia no banco traseiro.Os criminosos retiraram o casal do veículo, mas a criança demorou a acordar. Na fuga, os bandidos jogaram a criança para fora do veículo.Houve perseguição e novo tiroteio, e a polícia conseguiu prender a quadrilha. No confronto, um bandido morreu e dois ficaram feridos e foram levados para hospitais da região. De acordo com a polícia, dos cinco bandidos, três eram menores de idade. A PM apreendeu com eles dois revólveres.A ação da quadrilha começou por volta da meia-noite, com o roubo de um táxi Santana na rua Padre Rosset. Dois homens retiraram o proprietário do veículo e pararam em um posto de gasolina, logo à frente, para pegar três comparsas. Pouco depois, em frente ao Cemitério de Irajá, o táxi parou de funcionar, devido à ação do alarme, e os criminosos abordaram o Palio de Carlos Augusto Eugênio da Silva, que voltava para casa com a namorada Sandra e o filho.Policiais que faziam a ronda no bairro já seguiam os bandidos, suspeitando da alta velocidade com que o táxi roubado passou por eles. O confronto começou no momento em que os assaltantes se preparavam para assumir o Palio. Silva e sua namorada já tinham saído do veículo. "Estavam todos a pé, retirando o casal do carro. Com a chegada da viatura, eles jogaram a criança para fora do auto e iniciaram disparos em nossa direção", contou, no boletim de ocorrência, um dos policiais responsáveis pela prisão da quadrilha."Felizmente, desta vez, conseguimos evitar que uma nova tragédia como a do João Hélio acontecesse", disse o tenente Dias, da Polícia Militar do Rio de Janeiro.(Com Nicola Pamplona/AE)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.