Crise atrasa até a campeã Beija-Flor

Máquina de ganhar títulos, escola perdeu um mês de trabalho por falta de dinheiro e de material importado

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

07 Fevereiro 2009 | 00h00

São 15 horas e o carnavalesco Alexandre Louzada dá entrevistas atrás de um par de óculos bem escuros, esparramado no sofá de uma sala com ar-condicionado potente, que contrasta com o resto do abafado barracão da Beija-Flor. "São para esconder o cansaço. Neste carnaval, a escola vai precisar sair toda de óculos escuros", brinca. O motivo da exaustão não é só a proximidade do desfile. Neste ano, assim como Louzada, todo o staff do barracão, considerado o mais eficiente da Cidade do Samba, está à beira do esgotamento, por conta do trabalho dobrado nesta reta final.   Blog: agenda das escolas e sugestões de viagem Motivo: por falta de dinheiro e também de materiais à disposição no mercado (penas, plumas e tecidos, vindos da Ásia e África), reflexo da crise financeira mundial, a bicampeã da elite carioca, máquina de ganhar carnaval, perdeu um mês inteiro de trabalho. Há dez dias, quando o Estado visitou o barracão, ainda se viam carros alegóricos na fase de soldagem de estruturas e colocação de placas de madeira. Pelo cronograma seguido anualmente, pelo menos cinco deles deveriam estar finalizados, a ponto de entrar no Sambódromo. "Já era para estarmos fazendo o acabamento de todos. Se fosse outro ano, eu já estaria bem mais descansado", conta o carnavalesco, que divide a tarefa de dar vida ao curioso enredo sobre a relação do homem com o banho (No Chuveiro da Alegria, Quem Banha o Corpo Lava a Alma na Folia) com Ubiratan Silva (Bira) e Fran-Sérgio - todos sob a coordenação de Laíla, o xerife que tem três décadas de Beija-Flor. "O atraso assusta um pouco, porque sempre somos a primeira ou a segunda a ficar pronta", diz Bira. "Mas quando vemos que as outras escolas estão ainda mais atrasadas ficamos tranquilos." À exceção de Lousada, que chegou há dois anos, é o mesmo trio que elevou a agremiação de Nilópolis, na Baixada Fluminense, ao status de hoje: escola quase perfeita, merecedora de notas dez inquestionáveis em quase todos os quesitos - em 2008, obteve 399,3 pontos, de 400. Foram cinco títulos em seis anos. A Beija-Flor vem de um carnaval redentor, já que, em 2007, surgiram denúncias de que o campeonato tinha sido comprado - logo esvaziadas. A posição de campeã do ranking da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), com 33 pontos de vantagem sobre a segunda colocada, a Grande Rio, foi alcançada graças à invejada gestão profissional. O fato de não haver um carnavalesco único faz as tarefas serem muito bem definidas. Louzada é responsável pelas fantasias; Bira, rei do computador, digitaliza tudo que será visto na avenida; Fran-Sérgio, arquiteto, cuida da estruturação das alegorias. E todas as etapas precisam passar pelo controle de Laíla.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.