Crise faz Dilma manter setor aéreo na Defesa

Relatório interno do governo aponta risco de problemas 'brutais' até o fim das férias de verão e desaconselha criação de ministério unificado com portos

Christiane Samarco e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2010 | 00h00

A presidente eleita, Dilma Rousseff, desistiu de criar o Ministério de Portos e Aeroportos para entregar ao PSB por conta de um informe do serviço de informação do governo. O relatório diz que o País está na iminência de enfrentar uma crise "brutal" no setor aéreo, inclusive com a paralisação de vários serviços e companhias, o que desaconselha qualquer mudança. O setor continuará sob o comando do Ministério da Defesa.

Dilma esteve ontem com o ministro Nelson Jobim. Os relatos que chegaram à presidente eleita e também foram repassados ao PSB indicam grave risco de caos aéreo nos próximos dias e que a situação deve prosseguir durante o réveillon e avançar até o fim das férias de verão.

Diante disso, Dilma e o PSB consideraram melhor manter a Secretaria de Portos como funciona hoje e deixar para criar o futuro ministério depois. A pasta será entregue a Leônidas Cristino, prefeito de Sobral eleito e reeleito com apoio do governador do Ceará, Cid Gomes, e do deputado Ciro Gomes. Antes da indicação ao ministério, Cristino estava cotado para o secretariado de Cid, como coordenador das obras da Copa de 2014.

Cota. Sem ocupar o espaço desejado, o PSB recebeu a confirmação de que sua cota se resumirá ao Ministério da Integração Nacional e à Secretaria de Portos. Dilma reuniu-se ontem com o vice-presidente do PSB, Roberto Amaral, e Cid Gomes. Para a Integração Nacional,

A definição não satisfaz a bancada do partido no Congresso, que também desejava indicar representantes para o ministério. Antes da escolha de Leônidas Cristino, os nomes dos deputados Márcio França (PSB-SP) e Beto Albuquerque (PSB-RS) haviam sido cotados para o cargo.

Dilma já havia deixado claro que não ampliaria a fatia da legenda no bolo ministerial anteontem, em reunião com a cúpula do PSB. Na ocasião, a presidente eleita defendeu "equilíbrio" na representação dos partidos aliados na Esplanada, observando a necessidade de deixar espaços para acomodar o próprio PT. / COLABOROU CARMEM POMPEU, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.