Crise não é do Estado do Rio, é da Rocinha, diz Garotinho

O secretário de Segurança Pública do Rio, Anthony Garotinho, disse que ?não houve crise na segurança do Rio; houve crise na Rocinha?. Em seu programa na rádio Carioca, transmitido nesta manhã, o secretário tratou a violência que explodiu na maior favela carioca como um problema superado. ?Não tem comando amarelo, branco, vermelho ou Terceiro Comando. Hoje na Rocinha tem só o comando azul da Polícia Militar?, afirmou no programa ?Encontro Marcado com Garotinho?, referindo-se a algumas facções criminosas que disputam o controle do tráfico.De acordo com o comandante da PM, coronel Renato Hottz, que também participou do programa, soldados da corporação estão ocupando todos os pontos altos, becos e locais de venda de drogas na comunidade e na favela vizinha, o Vidigal. Garotinho criticou fortemente a cobertura da imprensa sobre o caso durante a última semana. Disse que ela estava cheia de ?mentiras? e que a que mais o irritou foi ?a de que os soldados estavam sem armas e passando fome?.Constrangido, Hottz, inicialmente, reconheceu que ?houve algum atraso de distribuição de comida em alguns setores?, mas que isso já tinha sido corrigido. ?Eu mesmo estava na Rocinha e a comida chegou à tardinha?, disse. Depois, porém, o comandante passou a criticar a imprensa por notícias denunciando PMs. ?É preciso que a mídia não saia publicando?, disse Hottz, defendendo que a própria PM, por meio de sua Corregedoria, deve apurar comportamentos irregulares de seus integrantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.