Crise: pesquisa revela queda por viagens aéreas nas férias

A recente crise no setor aéreo, com os atrasos em pousos e decolagens nos principais aeroportos do País, afetou fortemente a expectativa dos consumidores, que estão desistindo de fazer viagens de avião. Dados da Sondagem das Expectativas do Consumidor divulgado na segunda-feira, 27, atestam que o porcentual de entrevistados que têm intenção de recorrer a viagens aéreas nas próximas férias ficou em 35,7% em novembro. Esse foi o pior resultado da série histórica da pesquisa, iniciada em 2002.O coordenador de Sondagens Conjunturais do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), Aloisio Campelo, disse que o cenário era bem diferente em períodos anteriores. Segundo ele, no mês de outubro, esse porcentual era de 45,2%. ´Foi o melhor resultado da série histórica da pesquisa´, disse. Em novembro do ano passado, a parcela de entrevistados com intenção de recorrer a vôos era de 40,2%.Campelo admite que a recente crise do setor aéreo, o acidente com o avião da Gol e as operações-padrão dos controladores de tráfego aéreo influenciaram no resultado da pesquisa. ´Certamente, a crise toda do setor, com os atrasos (de vôos), levou a isso´, disse.Esse cenário, porém, ajudou a elevar a intenção daqueles que pretendem sair de férias usando outro tipo de transporte. De outubro para novembro, a parcela dos consumidores que desejam viajar de carro passou de 31,9% para 37,1%. No mesmo período, o porcentual dos que pretendem viajar de ônibus subiu de 9,5% para 10,3%.O economista admitiu, no entanto, que a situação do setor aéreo também conduziu a uma grande incerteza para o consumidor, com relação ao que fazer em sua viagem de férias.De outubro para novembro, a parcela dos consumidores que disseram não saber qual tipo de transporte utilizaria para viajar cresceu de 12,6% para 17,7%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.